Sociedade de Geografia de Lisboa


O Jesuíta Francisco de Pina, natural da Guarda, está em destaque no Seminário “Testemunhos de Amizade entre Portugal e o Vietname desde o Século XVII” que vai decorrer em Lisboa, no Auditório Adriano Moreira, no dia 2 de Fevereiro. O evento é promovido pela Sociedade de Geografia de Lisboa, pela Comissão Asiática NamPor – Associação de Amizade Portugal-Vietname que dedica a sessão de encerramento ao Jesuíta que nasceu na cidade da Guarda e se distinguiu pela forma como lidou com a língua vietnamita.
Para as 17.50 horas está anunciada a Conferência “O reconhecimento científico e histórico de Francisco de Pina, S.J., como o pai da língua vietnamita”, pelo Prof. Doutor Tran Duc Anh Son, (Sub-director do Danang Institute for Socio-Economic Development). Às 18.20 horas haverá outra conferência com o tema “2017 Ano de Francisco de Pina: o lusitanizante do Quoc Ngu (língua vietnamita) “, pela Dra. Thuy Tien Nguyen de Oliveira (NamPor).
O seminário começa às 15.30 horas, usando da palavra o presidente da Sociedade de Geografia de Lisboa, Luís Aires-Barros. Segue-se, às 15.40 horas a introdução “Amizade Portugal-Vietname”, pela presidente da NamPor, Associação de Amizade Portugal-Vietname, Thuy Tien de Oliveira. Às 16.00 horas haverá uma curta metragem sobre o Vietname apresentada pelo vice-presidente da NamPor, Henrique Kim Bui.
O seminário continua com as conferências “João da Cruz e o bronze na Cochinchina no séc. XVII” (M. Lê Nam Trung Hieu - Faculty of History, Hue Uni’s College of Science), e “O espírito universal das lendas vietnamitas (Margarida Muller-Pereira - Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa).
Às 17.30 horas será inaugurada a exposição de fotografia “Olhares Cruzados”, de João Taborda e Mestre Pham Quân e apresentação por Mário Marcão.
O padre jesuíta Francisco de Pina era natural da cidade da Guarda (1585/1586?) e terá chegado à Cochinchina (actual Vietname) por volta do ano de 1618, onde terá desenvolvido a sua actividade até à morte, em 1625, na cidade vietnamita de Da Nang.
Entrou para a Companhia de Jesus aos 19 anos e desenvolveu os seus estudos em Letras e Teologia no Colégio Jesuíta de Macau.
Quando terminou os estudos Francisco de Pina mudou-se para a missão de Hoi An. E é aí, no contacto com os falantes nativos, que se apaixona pela língua vietnamita e decide realizar uma tarefa de todo exigente e pioneira: romanizar a língua escrita do Vietname, que até então era apresentada sob o antigo registo baseado em ideogramas de feição chinesa.
Francisco de Pina terá sido o iniciador do processo, no que viria a concretizar-se no Quoc Ngu ou “Língua Nacional” e no desenvolvimento e adopção oficial de um registo romanizado e distinto do chinês.
Este ilustre filho da Guarda tem merecido a atenção e o estudo do colaborador do Jornal A GUARDA, António Salvado Morgado, que continua empenhado na divulgação da vida e obra de Francisco de Pina.