Uma plataforma onde se publicam histórias positivas

O projecto Rostos da Aldeia acaba de lançar um vídeo documental sobre a zona do Jarmelo, no concelho da Guarda. Trata-se do quarto episódio de uma mini série documental que pretende valorizar os chamados territórios de baixa densidade, promover o turismo em ambiente rural e estimular a fixação de gente nas aldeias portuguesas, bem como contribuir para o aumento da coesão territorial nacional.O projecto Rostos da Aldeia, uma plataforma onde se publicam histórias positivas de todos aqueles que contribuem para que o despovoamento não seja uma tendência inexorável, acaba de lançar o quarto episódio da sua mini-série documental, desta feita sobre o Jarmelo, no concelho da Guarda, da autoria do multipremiado videógrafo Tiago Cerveira, com banda sonora original do músico e compositor Daniel Pereira Cristo, amante dos instrumentos tradicionais de raiz.Luísa Pinto, jornalista há mais de 20 anos e mentora do Rostos da Aldeia, afirma que o que se pretende é “documentar a vida nos territórios do interior, com especial enfoque nos habitantes impulsionadores da mudança ou criadores da diferença.” Pessoas como “Bárbara Moreira, que tem o sonho de criar aldeias sustentáveis e comunidades intergeracionais e interculturais; Mateus Miragaia, o último artesão do país a fazer tesouras para tosquiar de forma artesanal; ou o ex-autarca Agostinho Silva, apaixonado confesso pelo Jarmelo”.Para além do vídeo documental, a equipa produziu ainda relatos na primeira pessoa que revelam o quotidiano, a rotina, o labor e o amor de que se faz a vida das suas gentes; e ainda um guia prático com o que fazer em Jarmelo, da autoria de Filipe Morato Gomes, o rosto por detrás do conceituado blogue de viagens Alma de Viajante, na esperança que possa servir de inspiração para motivar mais pessoas a visitar a região e a aumentar a duração média das estadas.Com o objectivo de ter impacto real positivo, a plataforma dispõe também de uma montra online, a partir da qual se direccionam os visitantes para produtos regionais, incluindo os doces e chutneys artesanais criados na aldeia de Ima pela equipa do projecto LAR - Love & Respect e as tesouras para tosquiar feitas pelo ferreiro Mateus Miragaia, na aldeia de Donfins.Depois de Jarmelo, os autores continuarão a percorrer o país, em busca de histórias de pessoas inspiradoras que promovam a divulgação dos seus territórios e motivem novos visitantes e potenciais moradores, estando a próxima paragem marcada para a região do Douro Vinhateiro.Rostos da Aldeia é uma plataforma onde se publicam histórias positivas de todos aqueles que contribuem para que o despovoamento não seja uma tendência inexorável, relatando os casos inspiradores de pessoas – novas e velhas – que lutam para o inverter.Tudo isso convenientemente contextualizado no espaço geográfico das aldeias – ponto de partida para todas as conversas -, através da produção de conteúdos onde se promoverão exemplos distintivos ligados à boa hospitalidade, à gastronomia de qualidade, às artes e ofícios, às tradições e à cultura popular, que possam servir de guia para visitas aos referidos territórios de baixa densidade espalhados por todo o país.Este projecto pretende “levar a atenção a essas aldeias, muitas das quais resistiram no tempo mesmo depois de quase se esvaírem de gente; revelar o quotidiano, a rotina, o labor e o amor de que se faz a vida das suas gentes. Falar dos territórios de baixa densidade enquanto lugares de oportunidades e de qualidade de vida”.