Loja funciona no piso térreo do Paço da Cultura


No dia 24 de Julho, a Câmara Municipal da Guarda inaugurou, no piso térreo do Paço da Cultura, no centro da cidade, um novo espaço de divulgação e venda de artesanato denominado “DaTerra” [Guarda - Tradições com futuro]. O projecto aposta, numa primeira fase, em três saberes artesanais da região: a tecelagem, a cestaria e a cutelaria, mas numa segunda fase serão divulgados outros produtos do concelho.
Por agora, o espaço “DaTerra” apresenta o cobertor de papa, os cestos ou as facas e tesouras através de instalações, reinventando os materiais e o seu uso, dando significado ao binómio tradição/modernidade. A autarquia contou com a colaboração dos artesãos do concelho, que participaram activamente nas instalações apresentadas nas salas do espaço e ainda com a participação da designer Lígia Rezzio e de alunos do Curso de Design de Equipamento, sob a coordenação do professor Sérgio Lemos, do Instituto Politécnico da Guarda (IPG), para uma nova abordagem aos produtos.
Com este novo espaço de divulgação, a Câmara Municipal da Guarda quer levar o artesanato do concelho a mais pessoas, desde os visitantes até aos próprios guardenses.
“Gentes, saberes e tradições constituem o mote para o novo espaço do Paço da Cultura, onde as memórias têm um papel de destaque. Matérias-primas como a lã, o ferro e o vime são desde tempos imemoriais um testemunho da intrínseca relação entre o homem e a natureza. Na encruzilhada de civilizações, estes costumes originaram uma Identidade muito própria. Neste espaço convidamo-lo a viajar pelas memórias dos nossos, num mundo de heranças e afectos que escrevem a História de uma região, a das gentes da Serra da Estrela”, lê-se no folheto de apresentação do espaço que funciona de terça-feira a sábado das 10.00 às 19.00 horas. A exposição actual vai estar patente ao público até ao final do ano.
Na inauguração do espaço “DaTerra”, o presidente da Câmara da Guarda, Álvaro Amaro, lembrou que defende para aquela zona da cidade (edifício do antigo Paço Episcopal) a criação do “Quarteirão das Artes”, mas antes de esse projecto estar concretizado a autarquia divulga a actividade artesanal do concelho e mostra “coisas bonitas que por cá se fazem e que nos podem ajudar a receber mais gente e a dar mais vida ao coração da cidade e à actividade económica”.
O autarca valorizou depois a cooperação do curso de Design do IPG que pode ajudar à criação de uma marca para a Guarda. Falou ainda da Escola de Artes e Ofícios de Maçainhas e declarou: “Eu já disse que financio o melhor design que houver para ajudar a produzir peças inspiradas no cobertor de papa”. “Acho que podemos, no século XXI, projectar essa marca e dar-lhe um impulso para poderem nascer outras empresas, através da Escola, com o apoio do Município e com a envolvência de outras entidades”, concluiu.