Evento começa este sábado, em Seia


A realização do primeiro Fórum Internacional de Festivais de Cinema de Ambiente é um dos momentos de destaque do CineEco 2018, iniciativa da responsabilidade do Município de Seia que cumpre, este ano, a 24ª edição. É um dos festivais de cinema de ambiente mais antigos do mundo e membro fundador e da direção da Green Film Network, uma plataforma de 40 festivais de cinema ambiental.
A 24ª edição do CineEco – Festival Internacional de Cinema Ambiental da Serra da Estrela começa este sábado, dia 13 de Outubro e prolonga-se até ao dia 20, e terá como um dos pontos altos a realização do primeiro Fórum Internacional de Festivais de Cinema de Ambiente. O Fórum decorre, de 13 a 15 de Outubro, no CISE – Centro de Interpretação da Serra da Estrela, em Seia, que será ponto de encontro e de discussão sobre a importância do cinema e dos festivais de temática ambiental para a valorização do tema e enquanto propostas culturais de atracção de públicos e captação turística sustentável.
A organização vai reunir no mesmo espaço membros de instituições como as Nações Unidas, Banco Mundial, Unesco, National Geographic, e ainda um líder indígena para, em conjunto, discutirem Cinema Ambiental.
O 1º Fórum Internacional de Festivais de Cinema de Ambiente integra um painel de oradores de destaque mundial na defesa e promoção ambiental entre os quais Catherine Beltrandi, do departamento de Ambiente das Nações Unidas, Ailton Krenak, líder indígena, ambientalista e escritor brasileiro, Giulia Camilla Braga, Comunicação Externa do Banco Mundial, Helena Freitas, Cátedra UNESCO em Biodiversidade e Conservação para o Desenvolvimento Sustentável, Ashley Hoppin, produtora executiva da National Geographic.
A somar a estes convidados, o Fórum recebe ainda 36 directores de festivais de ambiente de todo o mundo, pertencentes ao Green Film Network.
“Ao todo vão estar mais de 40 personalidades em representação de 30 países: Malásia, Sérvia, Turquia, México, Itália, Alemanha (3), Índia, EUA (3), França (3), Kosovo, República Dominicana, Rússia, Espanha (2), Albânia, Brasil (3), Suíça, Colômbia, Argentina, Montenegro, Japão, Irão, Áustria, Hungria, República Checa, Roménia, Canadá, Croácia, Coreia do Sul e Portugal”, sublinha o director do CineEco, Mário Jorge Branquinho. E acrescenta: “Durante esses dias, os diretores dos festivais e demais oradores vão centrar o debate no contributo que o cinema pode dar sobre as questões do ambiente, numa altura de grandes preocupações com o aquecimento global e alterações climáticas. Simultaneamente serão debatidas questões comuns entre festivais, reforçando laços e promovendo a reflexão sobre a importância das plataformas audiovisuais que estimulam mudanças sociais e de sustentabilidade”.
A cerimónia de abertura do 1º Fórum Internacional de Festival de Cinema de Ambiente acontece a 13 de Outubro, sábado, às 9.30 horas com a presença prevista do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, do Presidente da Câmara Municipal de Seia, Carlos Filipe Camelo, do Presidente do Turismo Centro, Pedro Machado, do Presidente do GFN, Gaetano Capizzi, e ainda do director do CineEco, Mário Jorge Branquinho. No dia seguinte, 14 de Outubro, entre as 10 e as 17.30 horas, decorre a Assembleia Geral da Green Film Network. O Fórum encerra segunda-feira, 15 de Outubro, com um passeio pela região da Serra da Estrela.
Entre 13 e 20 de Outubro são mais de 80, os filmes que ocupam os dois Auditórios da Casa da Cultura de Seia, numa programação que inclui ainda workshops, concertos e conversas em torno de temas que marcam o ambiente e o planeta.
A par das secções competitivas, o CineEco Seia integrará ainda duas sessões dedicadas aos mais novos, uma conversa liderada por Fernanda Botelho sobre a viagem das plantas e seus usos tradicionais em Portugal e nos vários países da lusofonia, um concerto para Olhos Vendados, orquestrado por Luís Antero, workshops e ciclos expositivos.
O CineEco 2018 é organizado pelo Município de Seia e cumpre, este ano, a sua 24ª edição. É um dos festivais de cinema de ambiente mais antigos do mundo e membro fundador e da direção da Green Film Network, uma plataforma de 40 festivais de cinema ambiental.