Seia


O Município de Seia está a ampliar as redes de abastecimento de água e saneamento básico no concelho, com vista à melhoria do serviço prestado às populações. As intervenções incidem em diversas freguesias do concelho e em pequenas localidades, representando um investimento total de 2.857.452,16 euros, operações com 85%, de comparticipação comunitária, no âmbito do POSEUR - Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso dos Recursos.
Entre os projectos finalizados está a criação de um emissário de águas residuais entre a aldeia de Vila Chã, a Zona Empresarial da Abrunheira e a Estação de Tratamento de Águas Residuais (ETAR) de Seia.
Estão igualmente concluídas as intervenções no sistema de águas residuais na Folgosa da Madalena e na Folgosa do Salvador, que incluiu a reabilitação da ETAR nesta última localidade e que permite que as localidades fiquem servidas de saneamento básico. Também está ultimada a empreitada de renovação e reconstrução de reservatórios e redes de abastecimento de água e de águas residuais nos Vales, investimento na ordem de meio milhão de euros. Em Vales, além do tratamento do saneamento básico, vê também melhorada a qualidade da água e a redução do número de falhas no abastecimento, através da sua integração no sistema de abastecimento em alta.
As localidades de Barriosa, Cabeça de Eiras, Santiago, Vascos Esteves e Várzea de Meruge também vão beneficiar de novos sistemas de tratamento de saneamento de águas residuais. O conjunto de obras, já adjudicadas, ascende a 1 milhão e 660 mil euros e integra diferentes intervenções, desde a construção de redes de drenagem, emissários, estações elevatórias e ETAR’s. A par do novo sistema de saneamento, a empreitada em Santiago incorpora ainda a renovação da rede de abastecimento de água.
“A concretização das empreitadas de saneamento básico representam o culminar de um longo caminho que o Município tem vindo a percorrer nos últimos anos, marcado pelo investimento de milhões de euros na construção de novas ETARS e emissários e redes de drenagem”, refere a autarquia.
Para além da despoluição dos cursos de água, os investimentos anunciados visam obter ganhos na eficiência da gestão dos recursos e das infra-estruturas de abastecimento de água e saneamento, nomeadamente na diminuição de perdas de água tratada, melhor cobertura e funcionamento dos sistemas por forma a assegurar mais qualidade dos serviços prestados às populações.