Iniciativa envolve municípios da Cova da Beira

O Instituto Politécnico da Guarda – IPG foi escolhido pela Associação de Municípios da Cova da Beira para realizar estudos municipais que irão permitir o desenvolvimento de sistemas de recolha selectiva de bio resíduos - sobras de refeições, cascas de frutas e legumes, folhas e ervas do jardim. As versões preliminares dos estudos encontram-se disponíveis para consulta pública e para submissão de contributos que visem a melhoria dos documentos até Julho. A iniciativa é financiada pelo Fundo Ambiental.Joaquim Brigas, presidente do IPG adianta que “o projecto visa identificar estratégias e soluções eficazes para que cada município possa assegurar a separação e a reciclagem dos bio resíduos”. E acrescenta: “Estamos empenhados em desenvolver projectos de investigação ambiental em parceria com empresas e municípios. Iniciativas como esta permitem melhorar a educação ambiental, sensibilizar para a economia circular e pôr o nosso conhecimento ao serviço da comunidade”.Os bio resíduos representam 37% dos resíduos urbanos produzidos em Portugal. A directiva do Parlamento Europeu e do Conselho sobre os resíduos obriga os Estados Membros a fazerem a recolha selectiva de bio resíduos ou a sua separação e reciclagem na origem, a partir de 1 de Janeiro de 2024.José Biscaia, secretário-geral da Associação de Municípios da Cova da Beira disse que o Politécnico da Guarda foi escolhido para desenvolver este projecto “pela reconhecida qualidade científica, pelo mais baixo custo e pela longa relação de confiança que existe entre as duas instituições”. E acrescentou: “Os estudos elaborados pelo IPG irão trazer grandes vantagens para o planeamento intermunicipal, permitindo uma visão integrada sobre os bio resíduos, bem como a definição de estratégias de actuação – ao nível de equipamentos e transportes – que beneficiem a região”.A presidência do IPG nomeou Pedro Rodrigues, docente responsável pelo Laboratório de Monitorização e Investigação Ambiental do IPG, para coordenar este projecto.