Ricardo Fonseca tomou posse no dia 17 de Julho

Ricardo Fonseca é o novo Comandante dos Bombeiros Voluntários Pinhelenses. A cerimónia de tomada de posse aconteceu, no dia 17 de Julho, no Corpo de Bombeiros Voluntários Pinhelenses, numa cerimónia simbólica devido à actual situação epidemiológica, mas bastante sentida. “Declaro que assume o Comando deste Corpo de Bombeiros consciente das minhas limitações e impossibilidades, porém, tudo farei, do que estiver ao meu alcance, para que a nossa Associação Humanitária e o nosso Corpo de Bombeiros prossigam em alcançar a meta que está na origem da nossa existência enquanto Bombeiros e Associação – defesa/socorro de pessoas, vidas e bens”, disse no discurso de tomada de posse.Quanto ao 2º Comandante e ao Ajunto devem começar a fazer a formação em Setembro. O Comandante Ricardo Fonseca, que também é sacerdote da Diocese da Guarda, “está ciente dos compromissos e das responsabilidades que assumiu e encara o futuro com determinação”.Ricardo Fonseca explicou ao Jornal A GUARDA que “quer na caminhada eclesial, onde se exige uma maior participação e corresponsabilidade dos leigos e dos diversos ministros, quer no Comando do Corpo de Bombeiros, entendo que eu como Sacerdote e como Comandante não tenho de fazer muito, e o muito que tenho de fazer será na distribuição de responsabilidades e supervisão sobre as mesmas”.Ao assumir as funções de Comandante frisou que porá “a missão de padre sempre em primeiro lugar”, acrescentando que “é nesta missão que me realizo como homem e homem de fé, é aqui que encontro e tenho a fonte da minha felicidade e autorrealização”.Ricardo Manuel de Jesus Fonseca nasceu em Janeiro de 1981, no concelho da Covilhã. Frequentou os seminários diocesanos do Fundão e Guarda e actualmente é pároco de Freixedas, Gouveias, Santa Eufemea, Pala, Sorval e Valbom, no concelho de Pinhel. Os Bombeiros Voluntários Pinhelenses contam com um Corpo de Bombeiros com cerca de 70 elementos no Quadro Activo e Comando constituído por um Comandante, um 2º Comandante e um Adjunto, estes últimos à espera que a Escola Nacional Bombeiros abra formação de quadro de comandos para que possam oficialmente assumir o cargo, embora na prática já coadjuvem nas responsabilidades de Comando. Quanto ao parque automóvel, Ricardo Fonseca considera que os Bombeiros de Pinhel estão “bastante bem equipados quer no referente a pré-hospitalar e transporte de doentes, quer no combate a incêndios rurais”.A história dos Bombeiros Voluntários Pinhelenses começou a 8 de Janeiro de 1906, numa Assembleia Geral que aprovou os primeiros estatutos para eleger a primeira direcção. O Governador Civil concedeu-lhe o alvará em 18 de Outubro de 1906.Simão José foi o primeiro Presidente da direcção, exercendo em simultâneo o Comando da Corporação. Chamava-se nessa altura “Associação Humanitária Sociedade de Beneficência Bombeiros Voluntários Pinhelenses”. A primeira sede ficou dividida entre as antigas cavalariças do conde de Pinhel (hoje Museu Municipal) e uma loja de uma casa de Maria Antónia Farinha Beirão. Em 1931 passou para o rés-chão do convento das Clarissas (onde está hoje o centro paroquial). Em 1950 foi construído o primeiro quartel no Bairro S. João. Em1980 foi inaugurado actual quartel mais espaçoso e funcional.