Guarda | Maçainhas

A deputada Mariana Silva, do Grupo Parlamentar Os Verdes, entregou na Assembleia da República uma pergunta, questionando o Governo através do Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, sobre a ainda não certificação do cobertor de papa. De acordo com a Associação ‘O Genuíno Cobertor de Papa’, com sede em Maçainhas, Guarda, a certificação ainda não foi feita devido aos custos que estão envolvidos, na ordem dos 25000 euros, um valor insuportável para os artesãos. Trata-se de um produto artesanal e tradicional, reconhecido e apreciado além-fronteiras mas que continua à espera da certificação. O texto refere que “o cobertor de papa é apenas produzido por quatro artesãos, dois dos quais com mais de 70 anos, na localidade de Maçainhas, concelho da Guarda, pela Associação O Genuíno Cobertor de Papa, de forma artesanal e fiel às tradições e cultura”. E acrescenta: “Todavia, este produto artesanal encontra-se em risco de extinção. Segundo os artesãos a principal razão prende-se com o facto de uma unidade industrial da região ter começado a fabricar o produto de forma industrial, utilizando matérias-primas e processos distintos dos atuais, que para além de colocar em causa o produto artesanal induz em erro os próprios consumidores, uma vez que não indica que o mesmo é feito de forma artesanal”.