Guarda

O IPG-Instituto Politécnico da Guarda estabeleceu uma parceria com a APAT – Associação dos Transitários de Portugal para capacitar profissionais nas áreas de gestão, dos transportes e da logística para trabalharem no primeiro Porto Seco português, que ficará sediado na Guarda. O protocolo será assinado na conferência “Portos secos & terminais rodo ferroviários” que irá decorrer no dia 4 de Maio, com início às 10.30 horas, no IPG. A iniciativa irá contar com a presença de Ana Abrunhosa, ministra da Coesão Territorial, Ana Mendes Godinho, ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, e de Jorge Delgado, secretário de Estado das Infra-estruturas. Joaquim Brigas, presidente do IPG considera que “a criação de um Porto Seco na Guarda irá impulsionar o desenvolvimento da economia da região, contribuindo para a criação de mais postos de trabalho e para o aumento da competitividade das empresas”. E acrescenta: “O IPG dedica-se a qualificar o território para que a população possa aproveitar os desafios e as oportunidades que irão surgir através de infra-estruturas como esta plataforma logística, localizada no centro da Península Ibérica”.António Nabo Martins, presidente-executivo da APAT, considera que o Porto Seco será o núcleo de um ecossistema logístico que irá precisar de pessoas habilitadas, capacitadas e competentes. Adianta que “o IPG terá um papel fundamental na especialização de profissionais que irão ser recrutados por empresas e na transferência de conhecimento sobre as actividades relacionadas com o Porto Seco.