Câmara da Guarda pretende dinamizar todo o território


Trabalhar cada vez mais com as juntas de freguesia e com as associações” é a grande aposta da Câmara da Guarda “para envolver todo o território” em volta de tradições e costumes do concelho. Na apresentação dos Festivais de Cultura Popular previstos para este ano, o Presidente da autarquia adiantou que “outros festivais vão aparecer em 2023” para dinamizar todo o território. Sérgio Costa lembrou que no início de Junho, com a Feira Concurso do Jarmelo, arrancam os festivais que “foram acontecendo ao longo dos anos”.
Assim, entre Junho e Novembro e depois de um interregno de quase dois anos, devido à Pandemia, estão de volta os Festivais de Cultura Popular ao concelho da Guarda.
Sérgio Costa disse que 2022 marca definitivamente o regresso deste ciclo com a Cultura, o Turismo e o desenvolvimento económico local a darem o mote para estes festivais no mundo rural do concelho da Guarda.
A ideia é potenciar as tradições, os produtos e a sua autenticidade, nomeadamente a vaca autóctone jarmelista, a lã, o pão, a cestaria, as raízes, a transumância, a acastanha e a jeropiga.
Mas a autarquia não quer ficar por aqui e para 2023 estão já pensados mais festivais no Concelho que irão dinamizar e promover a Cutelaria (Pêra do Moço), o azeite (Vale da Teixeira), os enchidos (Castanheira), o chichorro (Vila Mendo – Vila Fernando), o cobertor de papa (Maçainhas) e ainda o Festival do Vale do Mondego.
Em 2022, o Ciclo arranca no dia 5 de Junho (domingo) com a 38ª edição da Feira Concurso do Jarmelo. No programa da iniciativa destacam-se: 12º Concurso Bovino da Raça Jarmelista, mostra de animais, degustação dos pratos de vitela Jarmelista, tasquinhas, feira anual, visitas encenadas ao Castro do Jarmelo, artesanato, animação e uma garraiada. A organização garante um dia cheio de emoções na antiga Vila do Jarmelo.
Seguem-se Jornadas da Lã, a 11 e 12 de Junho, na Corujeira – Trinta; Viagem às raízes, a 2 e 3 de Julho, na Arrifana; Festival da Cestaria de Gonçalo, a 15,16 e 17 de Julho, em Gonçalo; o Festival Pão Nosso, a 30 e 31 de Julho, em Videmonte; a Festa da Transumância, a 24 e 25 de Setembro, em Fernão Joanes; e a Festa da Castanha e da Jeropiga, a 5 e 6 de Novembro, em Famalicão da Serra.
Este Ciclo de Festivais pretende divulgar o património cultural material e imaterial, efectivo e afectivo, das comunidades envolvidas; Alertar para a necessidade de preservação deste mesmo património, ajudando a perpetuar o saber pelas gerações mais novas; Valorizar produtos e tradições singulares e a sua autenticidade; Melhorar a qualidade de vida dos habitantes destes núcleos rurais do concelho da Guarda; Aumentar o potencial de dinamização da base económica e produtiva local; Criar envolvimento da população na organização destas iniciativas, através de parcerias com colectividades e freguesias locais; Atrair visitantes da região e do país; e Dinamizar a região.
Os festivais são organizados pelas juntas de freguesia e colectividades e associações locais e têm o apoio do Município da Guarda.
Sérgio Costa disse que o Ciclo não está fechado mesmo com os Festivais que vão surgir ou ressurgir em 2023, deixando a porta aberta a novas iniciativas, nomeadamente nas freguesias do lado nascente do concelho. Lançou mesmo o repto de um festival dedicado à marmelada, um produto que já está a ser valorizado na freguesia do Marmeleiro, por uma associação local através da promoção do pão com marmelada, folhado de marmelada, folar de marmelada, torta de marmelada e licor de marmelo.