Guarda


O CEI – Centro de Estudos Ibéricos está a publicar uma série de Podcasts sobre as “Memórias do 25 de Abril na Guarda”. Trata-se de um projecto desenvolvido no âmbito da “Oficina de História da Guarda”, iniciativa orientada pela Professora Rita Costa Gomes (Universidade de Towson, EUA) que o CEI desenvolve desde 2017.
O grupo de trabalho constituído por Anabela Matias, Cláudia Guedes e Tiago Tadeu propôs-se fazer um conjunto de episódios dedicados à memória colectiva do 25 de Abril na Guarda.
“Através dos testemunhos de vários convidados, pretende-se contribuir para o melhor conhecimento da perspectiva que o povo da Guarda teve deste acontecimento nacional que mudou o regime e as transformações sentidas a nível pessoal e social há 50 anos”, explica o Centro de Estudos Ibéricos.
O professor Carlos Baía foi o convidado do 1º episódio. No dia 25 de Abril de 1974, tinha 17 anos, era estudante do Liceu nacional da Guarda. Recordou que nesse dia decidiu faltar às aulas para, juntamente com um colega, ir jogar bilhar no antigo Café Monteneve. Foi nesse lugar que soube que tinha acontecido uma revolução em Lisboa. Este é o ponto de partida para uma série de recordações de uma “revolução em Lisboa” que também teve projecção na Guarda, entre os estudantes, que se concentraram na Praça Velha…
Carlos António Baía Pires dos Santos nasceu em 1956 na Guarda. Professor do Ensino Básico entre 1979 – 1983 e do Ensino Secundário (Filosofia) entre 1986 -2023. Exerceu funções de vereador na Câmara Municipal da Guarda (1986-1993 e 1997-2000). Desempenhou vários cargos associativos em colectividades como o Clube de Montanhismo da Guarda, a Associação Desportiva da Guarda, a Federação Portuguesa de Montanhismo e Escalada, entre outras. No dia 25 de Abril de 1974 era estudante no então denominado Liceu Nacional da Guarda.
Os podcasts são publicados nos dias 25 de cada mês e integram o Programa das Comemorações dos 50 anos do 25 de Abril na Guarda.