Política


Os deputados do PSD eleitos pelos círculos eleitorais da Guarda, Viseu e Coimbra (Carlos Peixoto, Carla Borges, Fernando Ruas, António Lima Costa, Mónica Quintela, António Maló de Abreu e Pedro Alves) questionaram o Governo sobre a conclusão das obras no Itinerário Principal 3 (IP3) e a construção do Itinerário Complementar 7 (IC7).
Na pergunta enviada ao ministro das Infra-estruturas e Habitação é referido que o actual estado do IP3, que faz a ligação entre Coimbra e Viseu, “é o espelho de um país adiado e de um Interior maltratado”.
“Circular nesta estrada, fatalmente associada a muitas mortes e feridos graves em acidentes, é um suplício e um risco cada vez mais parecido com a roleta russa”, refere o documento.
E acrescenta: “Se a situação já era confrangedora e inaceitável num país que se quer aproximar da média europeia, ela tornou-se insuportável a partir do passado mês de Julho, com o início das infindáveis obras de asfaltamento que obrigaram ao corte de faixas de rodagem nalguns troços, ignorando por completo o aumento significativo de tráfego durante o verão e os transtornos desproporcionais que iriam causar”.
“Comparando com outros países similares a Portugal, em que se trabalha de noite e dia em estradas estruturantes para servir os utentes com o menor incómodo possível, o cenário do IP3 é anedótico e incompreensível, ninguém ficando indiferente às interrupções nas obras dias a fio, com máquinas encostadas e inactivas, e com troços encerrados sem razão perceptível”, adianta o documento que deu entrada no dia 3 de Janeiro de 2020.
Os deputados do PSD eleitos pelos círculos da Guarda, Viseu e Coimbra perguntam “quando vão terminar as obras de asfaltamento do IP3 e em que data estimada está prevista a abertura de todos os troços”, e ainda “em que data concreta vão começar as obras de duplicação do IP3 e qual o específico traçado que vai ser requalificado ou reconvertido em perfil de auto-estrada entre Coimbra e Viseu?”.
Querem ainda saber se o Governo “vai ou não dar continuidade às obras do IC6 até ao nó de Folhadosa, em Seia, e iniciar a construção do denominado IC7, entre Folhadosa e Celorico da Beira, distrito da Guarda (actual Estrada Nacional 17), e, em caso afirmativo, com que calendarização”.