Celorico da Beira


Até ao dia 26 de Maio, a aldeia de Açores, no concelho de Celorico da Beira, está decorada com rendas, corações e milhares de flores artesanais. As peças decorativas, que enfeitam árvores, casas e monumentos, foram feitas pelos habitantes, no âmbito de um desafio lançado, pelo segundo ano consecutivo, pelo pároco Carlos Helena, por ocasião da festa anual do Espírito Santo e de Nossa Senhora do Açor, que decorreu nos dias 15 e 16 de Maio. No âmbito das festividades surgiram a Árvore da Misericórdia, o projecto “Renda-se aos encantos da lameira” e a Árvore do Peregrino. O padre Carlos Helena explicou ao Jornal A GUARDA que as cores utilizadas na decoração são o amarelo e o branco, que são as cores “da bandeira do Vaticano”. A iniciativa envolveu toda a população, dos mais novos aos mais velhos. “A decoração vai-se manter até ao Corpo de Deus, porque este ano, por sorteio das minhas Paróquias, calhou também aqui a realização da celebração do Corpo de Deus”, disse o sacerdote.
O projecto “Renda-se aos encantos da lameira” envolveu as mulheres da aldeia que fizeram rendas alusivas à festa religiosa, com que decoram casas, a igreja e os monumentos da aldeia. Já a Árvore do Peregrino, ideia que se mantém do ano passado, é enfeitada “com rendas dos devotos”, explicou o sacerdote, dando conta do caso de “uma senhora com 90 anos, que ofereceu um pequeno vestido em renda e deixou uma mensagem”. Por fim, a Árvore da Misericórdia, a novidade deste ano, por ser o Ano da Misericórdia, é decorada com corações (feitos em goma eva) pelas crianças da catequese de todo o arciprestado de Celorico da Beira e da Escola C+S Sacadura Cabral. “Elas gostaram. Fizeram centenas e centenas de corações. Cada coração tem o nome da criança e da localidade. É uma forma de elas virem cá e trazem os familiares para verem os trabalhos”, disse uma catequista. A árvore, que está disponível para receber corações de quem entender, também foi decorada com trabalhos das três crianças do Jardim-de-Infância de Açores. A educadora Ana Maria Xavier contou que as crianças fizeram pombas, laços e ninhos para os passarinhos com palha e pacotes de leite. Também enfeitaram uma roseira com borboletas, passarinhos e joaninhas. “As crianças participam sempre activamente. Elas gostam muito do jardim-de-infância e das actividades que se fazem aqui. Contei a história do Divino Espírito Santo e disse que o coração era o símbolo do amor e a pomba da paz. Falei dos valores que estão um bocadinho em baixo e, para o nível etário, isso foi suficiente e elas gostaram”, disse Ana Maria Xavier.
Os idosos do Lar de Açores também colaboraram no projecto de decoração da aldeia. “Recortaram os corações, feitos de goma eva, e com a ajuda dos funcionários fizeram a colagem”, disse ao Jornal A GUARDA a encarregada de serviço Maria da Glória. Os trabalhos estão a decorar a envolvente do edifício do Lar. “Eles ficaram muito entusiasmados por participarem”, rematou.