Almeida


O Bispo Coadjutor de Beja, D. João Marcos, esteve na quarta-feira, dia 18 de Maio, na sua terra natal, Monteperobolso, no concelho de Almeida, onde celebrou missa e foi recebido de forma calorosa por familiares e amigos. O bispo, que no dia anterior tinha estado na cidade da Guarda, onde apresentou o livro da sua autoria “Imagens da Fé - Percursos iconográficos, teológicos e pastorais”, no âmbito do 112.º aniversário do Jornal A GUARDA, estava acompanhado pelo Bispo de Beja D. António Vitalino e por dois padres. No final da celebração eucarística, D. João Marcos contactou com familiares e amigos e autografou vários livros da sua autoria.
Os habitantes de Monteperobolso receberam o prelado diocesano com muita alegria e não esconderam a satisfação e o orgulho por um filho da terra desempenhar as funções de Bispo Coadjutor de Beja. “Lembro-me muito bem dele quando era pequeno. Ele era tanto de nossa casa como nós da casa dele”, disse ao Jornal A GUARDA Amélia Monteiro, de 91 anos. E acrescentou: “Quando era pequeno os pais queriam que ele andasse na agricultura até que o meteram nos estudos. Ainda andou muito atrás das vaquinhas”. Segundo Amélia Monteiro, o actual bispo “sempre foi muito bom rapaz. Sempre foi muito bom e já nasceu para isto”. Já Maria Simões, de 74 anos, prima em segundo grau de D. João Marcos, contou que é mais velha do que ele, mas têm uma grande amizade. “Ele era tão bom rapaz. Mesmo já padre tirava-me fotografias na varanda com uma sobrinha. Conversava muito com ele sobre coisas da vida e da religião. Agora, desde que é bispo, é que ainda não foi à minha casa. Para mim é um orgulho muito grande por ter um primo que é bispo”, declarou.
António Martins, de 68 anos, que foi colega de escola e de catequese de D. João, lembra que sempre foram “muito amigos”. “Jogávamos à bola e brincávamos juntos. Lembro-me que ainda fizemos um género de um teatro na catequese. Sempre fomos amigos e a amizade mantém-se e, para mim, é um orgulho muito grande tê-lo hoje aqui em Monteperobolso”, disse.