Já repararam que ao introduzirmos o prefixo “re” em muitas palavras, o seu significado ganha um novo fôlego?

É sabido que os prefixos são morfemas de origem latina e grega, que se colocam antes de certas palavras, para lhes modificar o sentido.
Vejamos então alguns casos em que o prefixo “re” é exemplo vivo do sentido original da palavra: (re)fundar, (re) construir, (re)pensar, (re)iniciar, (re) estruturar, (re)começar, (re) converter, (re) arrumar, (re)correr, (re)aprender, (re) inventar, (re)florestar e tantas outras, que poderíamos acrescentar ao rol, onde através do prefixo “re” se produz a ênfase na intencionalidade, ou seja, a palavra passa a ter uma outra dinâmica, quer para quem a diz, quer para quem a interpreta e aplica na prática.
Também nas nossas vidas quotidianas, desde as tarefas simples às mais complicadas, desenvolvemos e executamos muitos (re)começos que, inevitavelmente, são sinónimo de desafios maiores em termos de desempenho intelectual, físico e espiritual.
Curiosamente, o prefixo “re” tem a particularidade de estabelecer uma correlação semântica com a corrente filosófica introduzida no século XIX por Auguste Comte1, filósofo francês, um dos fundadores da Sociologia.
Essa corrente filosófica ficou conhecida por Positivismo. Os positivistas não consideravam os conhecimentos ligados às crenças, pois afirmavam que não podiam ser comprovados cientificamente. Para eles o progresso da Humanidade dependia exclusivamente dos avanços científicos. Outros houve, que discordaram completamente dessa interpretação, mas o “sentido” da palavra positivismo ficou para sempre associado a essa corrente filosófica, geradora de mudanças paradigmáticas nas diferentes sociedades, onde foi portadora de muitos (re)começos quer individuais, quer colectivos.
Ocorreu-me reflectir sobre este prefixo, na medida em que ao sermos protagonistas da nossa própria estória, podemos (re)nascer no início deste Novo Ano, ou seja, podemos tentar vivenciar mais um (re)começo – pela positiva – nas nossas vidas pessoais e colectivas.
Oxalá!

(Endnotes)
1 Para Auguste Comte, o positivismo era uma doutrina filosófica, sociológica e política.
Surgiu como desenvolvimento sociológico do iluminismo, das crises social e moral do fim da Idade Média e do nascimento da sociedade industrial - processos que tiveram como grande marco a Revolução Francesa (1789 –1799).
Fonte: Wikipédia