Otelo morreu, mas a memória não!

A morte não altera o nosso percurso de vida. A morte não limpa, não desfaz os nossos atos de vida. Também não transforma criminosos em santos, nem o inverso, como não beatífica as pessoas perversas. Essa é uma missão de quem cá fica e a viva não é feita apenas dos factos que nos interessam ou não interessam. Contam todos.Qualquer pessoa que parta deste mundo para o outro merece a nossa misericórdia, o que não significa que esqueçamos o seu legado e a sua conduta. Não sou juiz. Sou uma pessoa comum, mas como todos os leitores sou capaz de ajuizar sobre uma determinada conduta à luz dos meus valores que são também os valores da grande maioria dos leitores. E deixem-me dizer-vos que ter às costas e na consciência as mortes de 14 vítimas inocentes, entre os quais um bebé de 4 meses, e nunca, mas mesmo nunca se ter arrependido ou ter pedido perdão às famílias, deve merecer uma profunda reflexão e repúdio.Recordando:“28 de Março de 1980 - Cria-se a Força de Unidade Popular (FUP), organização política de extrema esquerda que viria mais tarde a ser associada às FP-25, consideradas como o braço armado deste partido.20 de Abril de 1980 - FP-25 anunciam o seu surgimento com a publicação do “Manifesto ao Povo Trabalhador”, que é distribuído por todo o país numa aparatosa operação de rebentamento de petardos.No manifesto as FP afirmam que o seu surgimento acontece para “o derrube do regime, instauração da ditadura do proletariado, criação do Exército Popular e implantação do socialismo”.Subscreva as newsletters Diário de Notícias e receba as informações em primeira mão.5 de maio de 1980 - Primeira ação violenta da organização, em que é assassinado o soldado da GNR, Henrique Hipólito, em Meirinhos, Mogadouro, num assalto às agências do Banco Tota e Açores e da Caixa de Crédito e Providência, no Cacém.13 de maio de 1980 - ASSASSINATO de Agostinho Ferreira, comandante do posto da GNR de Alcoutim.6 de Dezembro de 1982 - ASSASSINATO de Diamantino Bernardo Monteiro Pereira, administrador da Fábrica de Loiças de Sacavém, em Almada.7 de Fevereiro de 1984 - Uma das maiores e mais emblemáticas “operações de recuperação de fundos” da organização. ASSALTO a um veículo de uma empresa de segurança que transportava 108 000 contos (538 701,70 euros).30 de Abril de 1984 - ASSASSINATO DE UM BEBÉ DE QUATRO MESES NUM ATENTADO À BOMBA na casa da sua família em São Mansos, Évora. A morte foi justificada como um erro técnico19 de Junho de 1984 - Início do desmantelamento das FP-25 com a Operação Orion, coordenada entre a PJ, PSP e GNR. No centro desta operação esteve a rusga efetuada à sede da FUP e posterior ilegalização do partido.20 de Junho de 1984 - Prisão de Otelo Saraiva de Carvalho.21 de Setembro de 1985 - Evasão de nove membros das FP-25 do Estabelecimento Prisional de Lisboa.7 de Outubro de 1985 - Começa o julgamento das FP-25.15 de Fevereiro de 1986 - ASSASSÍNIO do Diretor-geral dos Serviços Prisionais Gaspar Castelo-Branco, à porta de sua casa, em Lisboa.20 de maio de 1987 - Condenação de Otelo Saraiva de Carvalho a 15 anos de prisão pelo crime de terrorismo.16 de Agosto de 1987 - Último ASSASSINATO das FP-25. O agente da PJ, Álvaro Militão, é morto durante uma perseguição a três elementos da organização, em Lisboa.Entre outras 14 VÍTIMAS INOCENTES, temos um BEBÉ, O NUNO de apenas QUATRO MESES, o Henrique, o Diamantino, o Alexandre, o Álvaro, o Adolfo, o Agostinho, o Fernando, o José, o Evaristo e o Rogério.” Não pode haver heróis onde a humanidade nunca existiu. Não há heróis onde o coração é gelo e a consciência é turva.Otelo não pode ser julgado por um dia da sua vida, mas por todo um percurso.Paz à sua alma!