Igreja

Sínodo dos Bispos
O Vaticano apresentou o relatório final da assembleia extraordinária do Sínodo dos Bispos, que debateu os temas da família, onde sublinha a “verdade” da indissolubilidade do casamento, recusando outros tipos de união.
O documento, publicado pela sala de imprensa da Santa Sé, refere que o único “vínculo nupcial” na Igreja Católica é o sacramento do Matrimónio e que “qualquer ruptura do mesmo é contra a vontade de Deus”.
O Sínodo assume a necessidade de “discernir os caminhos para renovar a Igreja e a sociedade no seu compromisso pela Igreja fundada sobre o matrimónio”, a “união indissolúvel entre o homem e a mulher”.
Os participantes sustentam que “os grandes valores do matrimónio e da família cristã” são a resposta aos anseios da existência humana face ao “individualismo” e “hedonismo”.
A reflexão sobre casamentos civis, divorciados e recasados na Igreja deixa uma mensagem de “amor” para com a “pessoa pecadora” e diz que esta participa “de forma incompleta” na vida eclesial.
O documento retoma as observações sobre a necessidade de fazer “escolhas pastorais corajosas” na acção da Igreja junto das “famílias feridas”, em particular junto de quem “viveu injustamente” a separação e o divórcio.
O relatório final do Sínodo de 2014 foi votado ponto a ponto, em cada um dos seus 62 números, que reuniu 470 propostas dos chamados ‘círculos menores’.
A 14ª Assembleia Geral ordinária do Sínodo dos Bispos vai decorrer de 4 a 25 de Outubro de 2015, com o tema “A vocação e a missão da família na Igreja, no mundo contemporâneo”.
As votações sobre cada número foram divulgadas pelo Vaticano, por decisão do Papa, revelando que os parágrafos 52 (acesso dos divorciados recasados à Comunhão), 53 (comunhão espiritual a divorciados) e 55 (homossexuais) não chegaram a uma maioria de dois terços dos 183 padres sinodais presentes; o parágrafo 41 (matrimónios civis e uniões de facto) mereceu 54 votos contra.
Em relação ao acesso à Comunhão e à Penitência pelos divorciados em segunda união, tema sobre o qual se gerou divisão entre os participantes, alguns “argumentaram em favor da disciplina actual [que impede o acesso aos sacramentos]” e outros propõem um “acolhimento não-generalizado”.
Este foi o ponto em que houve mais votos contra (74), no qual se pede que seja aprofundada a questão, “tendo presente a distinção entre situação objectiva de pecado e circunstâncias atenuantes”.
O texto apresenta dois números sobre a situação dos homossexuais, com críticas às “pressões” sobre os membros da Igreja por causa da sua doutrina nesta matéria e às leis que instituem uniões entre pessoas do mesmo sexo.
O relatório do Sínodo alude ainda às propostas para tornar “mais acessíveis e ágeis”, de preferência “gratuitos”, os procedimentos para o reconhecimento de casos de nulidade matrimonial, realçando que alguns participantes se mostraram “contrários” a mudanças.
O porta-voz do Vaticano, padre Federico Lombardi, sublinhou que este não é um documento “doutrinal” e que vai servir de base de preparação para a assembleia geral ordinária do Sínodo dos Bispos, com três semanas de trabalho, em Outubro de 2015.
A GUARDA/ECCLESIA

A polémica entre Jesus e os líderes judaicos continua,

Dom José João dos Santos Marcos

O confronto entre Jesus e as autoridades judaicas, a que vimos assistindo nos três últimos domingos, vai aumentando de intensidade e prossegue agora com os fariseus e os partidários de Herodes a procurarem “maneira de surpreender Jesus no que dissesse” e assim terem um pretexto para O acusarem e condenarem.

Deus faz parte da nossa história e da nossa vida. Entrando nela, Deus faz da história da humanidade história de salvação. Caminha connosco, com cada pessoa e com cada povo, para nos acompanhar, ensinar e convidar a entrar no banquete eterno, “preparado para vós desde o princípio do mundo”. Disto nos fala a Palavra de Deus.

Vaticano