Arcisprestado de Pinhel


“Feliz e realizado” é assim que António dos Santos Freire se define como padre. Pároco de Alverca da Beira, Bouça Cova, Cerejo, Souropires, Ervas Tenras e Póvoa d’El Rei, no arciprestado de Pinhel, gosta de andar no meio das pessoas e de responder às suas necessidades desde que tenha possibilidade.
Tem orgulho de ser tratado como “o nosso padre” em todas as paróquias que visita com regularidade ao longo da semana. “Tento ir a todas as paróquias pelo menos uma vez por semana e às maiores costumo ir duas vezes”, explicou o padre António Freire ao Jornal A GUARDA.
Com residência fixa em Alverca da Beira, “na casa paroquial, ao lado da Farmácia” diz que as pessoas o consideram como família. “Vivo uma vida feliz, procuro estar com as pessoas e dar-lhes aquilo que elas precisam”, adiantou.  
Nos dias de semana, quando se desloca às paróquias procura ir com bastante tempo de antecedência, para conversar e atender de confissão todas as pessoas que o procurem.
Tanto em Alverca da Beira como em Souropires existem Centros Paroquiais destinados às actividades de catequese e formação, para as crianças, jovens e adultos. Os espaços também estão abertos à comunidade havendo uma colaboração salutar com as Juntas de Freguesia. “Sempre que é necessário cedemos o espaço para iniciativas promovidas por outras entidades” explicou o padre António Freire.
Em Alverca da Beira, o pároco é, por inerência, o Provedor da Misericórdia que disponibiliza serviços sociais de Centro de Dia e Apoio Domiciliário à população.
Nos três anos que leva à frente desta paróquias do arciprestado de Pinhel tem procurado recuperar o património religioso existente. Depois das obras nas igrejas de Bouça Cova e Cerejo, tem agora a decorrer os trabalhos em Alverca da Beira. “Já recuperámos o telhado e o tecto e estamos a tratar das paredes interiores”, referiu. Apesar das verbas serem escassas os trabalhos decorrem com normalidade. Reconhece que ainda há muito para fazer pois as igrejas de Ervas Tenras, Souropires e Póvoa d’El Rei também estão a precisar de intervenções.
No meio de tantos trabalhos, o padre António Freire ainda tem tempo para fazer as refeições do dia-a-dia. Gosta de cozinhar e nada lhe mete medo. No dia em que o Jornal A GUARDA o procurou, o almoço estava preparado de véspera e na mesa havia sopa de hortaliça, esparregado com entrecosto cozido e fruta da época. Apesar da casa paroquial ter um quintal onde planta alguma hortaliça acaba por não ser necessário pois “as pessoas gostam muito de partilhar os produtos da terra com o pároco”. E acrescenta: “As pessoas ficam zangadas quando digo que quero alguma coisa”.
O Padre António Freire é natural de Frádigas, anexa de Vide, no concelho de Seia. Foi ordenado padre em Julho de 1991. Fez estágio em Sandomil (Seia), passou pelo Seminário do Fundão, e integrou a comunidade de Celorico da Beira, sendo pároco de Prados, Cadafaz, Rapa, Vale de Azares, Lageosa do Mondego, Vila Boa do Mondego, Ratoeira, Açores e Velosa.
Nos dias em que visita a terra natal costuma dar uma prendinha às pessoas que o viram crescer celebrando na capela da aldeia. E explica: “Tenho mais gente na missa que celebro na minha terra, em dia de semana, do que na paróquia de Póvoa d’El Rei ao Domingo”.