Entre margens da Palavra


0. Preparo-meProcuro um lugar adequado e uma boa posição corporal. Respiro lenta e suavemente.Silencio os pensamentos. Tomo consciência da presença de Deus, invocando o Espírito Santo.
1. O que diz o texto- Leio pausadamente Jo 20, 19-31.- Sublinho e anoto o mais significativo.É Páscoa. O Ressuscitado encontra seus discípulos reunidos, mas temerosos. Dá-se a conhecer e transmite-lhes paz e seu Espírito, preparando-os para o testemunho e a reconciliação. Entretanto, ajuda também Tomé a reconhecê-lo como “Deus e Senhor”.
2. O que me diz Deus- Imagino-me no Cenáculo entre os discípulos. Que sente Tomé? E eu? É o Domingo da Misericórdia. Esta revela-se no cuidado do Ressuscitado com seus discípulos atemorizados, comunicando-lhes a sua paz. É também a atenção reservada a Tomé, que hesita na fé. Crer na Ressurreição não é evidente. Exige percurso interior, confronto com as incertezas e audácia confiante. As dúvidas de Tomé são minhas, tal como o seu desejo de comprovar a Vida Nova de Cristo. Para isso, ajuda muito o testemunho da comunidade. Que minha vida possa também dizer: “Vi o Senhor!”
3. O que digo a Deus- Partindo do que senti, dirijo-me a Deus, orando (de preferência com palavras minhas).Senhor, ao mostrares as marcas das tuas mãos e no teu lado, recordas-me a tua entrega por mim. O mundo exibe a força dos poderosos, a violência da injustiça e da mentira. Tuas mãos falam-me em amor fiel e incondicional.Como os discípulos, a insegurança fecha-me no sepulcro do meu medo. Temo enganar-me ou ser manipulado. Calculo, meço, arrisco pouco. Tuas mãos contam-me a tua luta corajosa e perseverante.Como Tomé, reivindico provas e certezas quando, na verdade, a fé acontece no caminho. Tuas mãos oferecem-me a paz e a confiança que preciso para avançar.Resgataste Maria Madalena e os discípulos de Emaús da sua tristeza, os apóstolos do medo e Tomé da sua incredulidade. Tuas mãos convidam-me ao reconforto do abraço.
4. O que a Palavra faz em mim- Contemplo Deus, saboreando e agradecendo.Senhor, as marcas da tua Misericórdia reforçam a fé, reavivam a esperança e alentam à caridade. São Vida Nova em mim: agradeço, louvo, contemplo.Inspira-me o que esperas e mereces de mim. Apoiado em Ti, comprometo-me em algo oportuno e alcançável, crescendo na minha relação diária conTigo e com os outros.
PROVOCAÇÕES- Que “marcas” têm as minhas mãos e coração?- Que dizem de mim aos outros?- Reconheço as “marcas” do amor de Deus na minha vida?- Sou capaz de as reconhecer no sofrimento dos outros?
UM PENSAMENTO“Amamos na medida em que damos; não amamos completamente, se não nos damos completamente.” (P. de Jaegher)
UM DESAFIOPedir ao Espírito Santo a graça de “marcar” com amor cada gesto.
UMA ORAÇÃO-POEMA
Em tuas mãos,o meu nome gravadoe, nele, teu Amor cravado.
Nas tuas mãos,minha miséria, em dor estampadae, nela, teu coração enxertado,promessa de esperança em flor.
Pelas tuas mãosa fé ferida, em teu corpo lavrado,regenera em tons de nova primavera.
Das tuas mãos,o perdão como bênção,e teu sopro, acariciando-me o crere o querer, tomando carnena palma da minha mão.