O Papa Francisco assinalou, no Domingo, 7 de Junho, no Vaticano, a solenidade da Santíssima Trindade,

apresentando-a como um “único desígnio de amor, que salva a humanidade e o mundo”, apesar de todo “o mal e corrupção”.“Pensemos no amor de Deus. Seria bonito que nos sentíssemos amados”, pediu aos peregrinos reunidos na Praça de São Pedro, para a recitação da oração do ângelus.Disse que a celebração das pessoas divinas, Pai, Filho e Espírito Santo, convida cada crente a “deixar-se fascinar de novo pela beleza de Deus”, que quer entrar na história de todos.“É isto a fé: acolher Deus-amor que se dá em Cristo, nos faz mover no Espírito Santo, deixar-se encontrar por Ele e confiar nele. Esta é a vida cristã, amor, encontrar Deus, procurar Deus”, acrescentou. Após a oração, em que recordou as vítimas da pandemia, o Papa destacou que o mês de Junho é dedicado de forma particular, na devoção católica, ao Coração de Jesus, fonte de “misericórdia, perdão, da ternura de Deus”.O Papa Francisco convidou os presentes a repetir com ele uma antiga oração, que aprendeu com a sua avó: “Jesus, faz que o meu coração se assemelhe ao teu”