Entre margens da Palavra

0. Preparo-me
Procuro um lugar adequado e uma boa posição corporal. Respiro lenta e suavemente.
Silencio os pensamentos. Tomo consciência da presença de Deus, invocando o Espírito Santo.

1. O que diz o texto
- Leio pausadamente Lc 10, 1-12.17-20.
- Sublinho e anoto o mais significativo.
Jesus instrói setenta e dois discípulos que envia a anunciar o Reino, mediante os sinais da cura e da paz. Entretanto, regressam cheios de alegria pela missão cumprida.

2. O que me diz Deus
- Imagino-me a acompanhar o grupo de Jesus. Ouço e vejo. Que experimento?
O número 72 designa a universalidade da missão: todos somos chamados a ser missionários. Um cristão que não anuncie Cristo, não é cristão. Jesus envia-os dois a dois, porque a comunhão e fraternidade são o primeiro testemunho do Reino. A pobreza dos meios e a precaridade da missão não impedem a eficácia desta. A minha segurança reside n’Aquele que me envia e que anuncio. É isso que potencia a paz e a alegria dentro de mim, a fim de as poder partilhar com todos, sem nunca as perder.

3. O que digo a Deus
- Partindo do que senti, dirijo-me a Deus, orando (de preferência com palavras minhas).
Senhor, também a mim me chamas e envias em missão. Mas não sozinho. Comigo estão aqueles que, a meu lado, me ensinam, exemplificam e vivem a fé. Juntos, o testemunho é mais forte, porque mais credível. É através da nossa comunhão conTigo e a fraternidade entre nós que Te revelamos aos outros.
Sinto-me desprovido de meios, qualidades, segurança… Mas queres-me assim, pobre e frágil. Só sou eu e Tu. Não valho o que tenho mas o que me fazes ser. Desta forma, o teu Evangelho transparece mais visível e evidente. Não é graças a mim, mas a Ti.
Como fruto principal desta missão a paz – tão necessária nestes tempos: aquela que me dás e que me chamas a partilhar. Não é uma mera ideia, mas uma experiência. Tem rosto, coração e olhar: o meu e o daqueles que cruzar. Ajuda-me a SER PAZ.

4. O que a Palavra faz em mim
- Contemplo Deus, saboreando e agradecendo.
Senhor, seguir-Te e anunciar-Te com a vida é fonte de alegria, plena e autêntica. Repleto dela, agradeço e louvo, contemplando-Te.
Inspira-me o que esperas e mereces de mim. Apoiado em Ti, comprometo-me em algo oportuno e alcançável, crescendo na minha relação diária conTigo e com os outros.

PROVOCAÇÕES
- Disponho-me a viver, diariamente, a minha fé como missão?
- Confio mais no que tenho e sou do que em Deus?
- Que “riscos” aceito viver em nome da fé?

UM PENSAMENTO
“A Igreja existe não para si mesma, mas sim para a humanidade.” (Bento XVI)

UM DESAFIO
Pedir ao Espírito Santo a graça de assumir minha vocação missionária.

ARQUIVO & PODCAST
https://seminariointerdiocesanosj.pt

UMA ORAÇÃO-POEMA

Chamados e enviados, dois a dois
porque a Boa Notícia recebida
nunca é solitária, mas solidária.
Batedores de caminhos novos
abrimos o além, rasgando aquém.
Somos poucos para tal seara!

Destemidos cordeiros entre lobos,
sem coisas ou demoras, avançamos
seguros do que nos enche o coração.
Temos paz por riqueza… a multiplicar
dividir ou somar, mas nunca perdida
qual Reino crescendo por Ti… em mim.

Sem pó a tolher o olhar, a asfixiar o agir
testemunhamos terra e céus diferentes,
filhas e filhos do Caminho… a caminho.