0. Preparo-meProcuro um lugar adequado e uma boa posição corporal. Respiro lenta e suavemente.Silencio os pensamentos. Tomo consciência da presença de Deus, invocando o Espírito Santo.


1. O que diz o texto- Leio pausadamente o Evangelho Mc 1, 7-11.- Sublinho e anoto o mais significativo.João Batista, pela pregação, anuncia Jesus como “sendo maior” do que ele, pois virá batizar “no Espírito Santo”. O relato do batismo que Jesus recebe manifesta, por meio de sinais, a sua identidade. 2. O que me diz Deus- Imagino-me presente no batismo de Jesus. Que vejo e que sinto? Este relato, tal como o dos magos, é uma teofania (expressa a presença intensa de Deus). Esta revela-se através do “rasgar dos céus”, do Espírito santo que desce “como uma pomba” e da “voz” que se fez ouvir. Os céus abertos indicam que se desfez a “separação” entre Deus e a humanidade. Em Jesus, Deus faz-se um de nós. De tal maneira que aceita o batismo penitencial de João. Jesus, divino e sem pecado, mete-se na “fila dos pecadores” para mostrar a sua profunda solidariedade e identificação com a minha condição humana. 

3. O que digo a Deus- Partindo do que senti, dirijo-me a Deus, orando (de preferência com palavras minhas).Senhor, desceste até mim. Solidário, tomaste minha humanidade e ousaste passar por pecador, ocupando o meu lugar. Para libertar e curar, passaste entre nós. Das margens do Jordão até ao Calvário, indicaste o caminho de retorno a Deus.Por Ti, os céus abriram-se. Estes nunca mais se fecharam. E, assim, entrevi o rosto de Deus que revelaste em gestos e palavras. Acima de tudo, é o teu testemunho que me atrai a seguir-Te. Tu és o “Filho muito amado” do Pai. E fazes-me acreditar que também eu o sou, apesar da minha inconstância e fragilidade. Carregaste a minha cruz e o meu pecado. Tudo o que me impedia de chegar a Ti.Envia-me o teu Santo Espírito. Pela sua assistência consiga eu identificar-me a Ti, como Tu o fizeste comigo. Seja Ele a minha vacina de esperança. 4. O que a Palavra faz em mim- Contemplo Deus, saboreando e agradecendo.Senhor, hoje recordo e agradeço o meu batismo. Por meio dele, tornei-me teu “filho muito amado”. E assim quero viver e testemunhar, ao longo de 2021. Por isso, Te louvo, contemplo e adoro.Inspira-me o que esperas e mereces de mim. Apoiado em Ti, comprometo-me em algo oportuno e alcançável, crescendo na minha relação diária conTigo e com os outros.
Provocações - Pelo meu batismo, sou filho(a) de Deus. Que significa isso para mim?- Jesus identificou-se com a humanidade. Identifico-me com Ele? Como?- Deus superou a distância que me separava d’Ele. Nestes tempos de distanciamento, como me aproximo dos outros?
Um pensamento - “O amor só dá o seu quase tudo depois de nós darmos o nosso quase nada.” (José Luís Nunes Martins)
Um desafio - Pedir ao Espírito Santo a graça de viver plenamente a minha condição de filho(a) de Deus.
Uma oração poemaO teu infinito desabitaste para, num só mergulho,minha finitude revestir.A essa imersão como resistirse, num só golpe, meu orgulhoe toda a distância derrubaste!?
Minha existência adentrastetomando-me por irmão,assumindo meu pecado.E eu, grato de tão amadotomei-Te por vida e pão.Imerso em Ti, me resgataste.
Por mim, não temeste molhar-Te.Por Ti, não me pouparei a amar-Te.