Entre margens da Palavra


0. Preparo-meProcuro um lugar adequado e uma boa posição corporal. Respiro lenta e suavemente.Silencio os pensamentos. Tomo consciência da presença de Deus, invocando o Espírito Santo.
1. O que diz o texto- Leio pausadamente Mt 2, 1-12.- Sublinho e anoto o mais significativo.Seguindo uma estrela, magos vindos do Oriente procuram em Jerusalém o “rei dos judeus que acaba de nascer”. Será em Belém que descobrem, adoram e presenteiam o Menino.
2. O que me diz Deus- Acompanho os magos na sua busca e encontros. Que sinto?Além do cenário romântico associado aos “reis” – que não o são –, este relato destaca uma dupla mensagem: a manifestação de Deus e a busca humana. Para a surpresa (e desilusão!?) de muitos, Deus não se revela na grandeza, mas na humildade. Por isso, nem todos O reconhecem e acolhem. Não basta saber (escribas) e poder (Herodes). É preciso ler os sinais de Deus e enfrentar o risco do caminho (Magos). Só estes experimentam Deus. Procuro Deus? Disponho-me a adorá-l’O? O que tenho para Lhe oferecer?
3. O que digo a Deus- Partindo do que senti, dirijo-me a Deus, orando (de preferência com palavras minhas).Senhor, sei e posso o suficiente, mas não me ponho em marcha. Adio, acomodado. Julgo ser merecedor de lugar cativo, privilegiado. Esqueço que não existe verdadeiro crente sem ser discípulo. E este não sobrevive sem caminho. Parar é ficar longe de Ti, pois estás sempre em movimento. Faz-me sair de mim mesmo, abandonando o palácio da minha conformada segurança.Purifica meu coração para Te desejar, em vez de Te temer, como Herodes. Não és um rival, mas salvador. Solta minha inteligência e põe-na a dar passos, em vez de marcar passo, como os escribas. Não és uma ideia a cogitar, mas Alguém a adorar.Ainda que me sinta pobre e indigno, faz-me perceber que não esperas nada mais de mim do que a gratuidade da minha companhia, partilhada conTigo… no caminho.
4. O que a Palavra faz em mim- Contemplo Deus, saboreando e agradecendo.Senhor, sei que esperas por mim. Eis-me, pois, apesar de toda a minha pobreza, para Te agradecer e louvar, contemplar e adorar.Inspira-me o que esperas e mereces de mim. Apoiado em Ti, comprometo-me em algo oportuno e alcançável, crescendo na minha relação diária conTigo e com os outros.
PROVOCAÇÕES- Diante de quem me ajoelho? Com que sentimentos?- Procuro verdadeiramente Deus? Como?- O que me disponho oferecer ao Deus que me busca?
UM PENSAMENTO“Só quem é livre interiormente pode adorar a Deus de verdade.” (José António Pagola)
UM DESAFIOPedir ao Espírito Santo a graça de procurar Deus e de O adorar.
ARQUIVO & PODCASThttps://seminariointerdiocesanosj.pt
UMA ORAÇÃO-POEMA
Meu coração nómadaneste mundo doenteinquieta-o de desejoa luz em mim nascente.Esta sede inconformadaque adia todo o festejochama-me do orientepondo-me encaminhadaa vida, o rei que almejo,para uns inconveniente,que nasce no meu nada.Acessível porque O vejonão por saber incipienteou por soberba cismadaapenas porque num beijome ajoelho humildementedando-me em fé abismada.