Arciprestado do Sabugal

A Semana Bíblica, que decorreu na cidade do Sabugal, entre os dias 2 e 6 de Março, juntou mais de uma centena de participantes. Foram cinco sessões de hora e meia, cada uma, orientadas pelo Padre franciscano capuchinho, Frei Manuel Arantes. De acordo com a organização “inscreveram-se para cima de cem participantes, provenientes de muitas Paróquias e Comunidades do Arciprestado do Sabugal, sendo o maior grupo da Paróquia do Sabugal”.“Os trabalhos da Semana Bíblica tiveram lugar na Igreja Matriz do Sabugal, num ambiente aquecido para combater o frio da noite, mas também num ambiente fraterno de cristãos desejosos de aprender a conhecer melhor a Bíblia como Palavra de Deus enviada aos homens, para melhor a compreendermos e ela possa orientar a nossa vida levando-a a realizar obras de amor a Deus e aos irmãos”, explicou ao Jornal A GUARDA o padre Manuel Igreja Dinis, pároco do Sabugal.Os temas apresentados agradaram e cativaram a atenção dos participantes que, de Bíblia nas mãos, iam consultando as diversas passagens que iam sendo trabalhadas.Os trabalhos começaram com a apresentação da Bíblia, “conjunto de 73 livros, sendo 46 do Antigo Testamento e 27 do Novo Testamento”. O padre Manuel Igreja Dinis adiantou que “A Bíblia são vidas e história de um Povo abençoado por Deus, momentos de história de um Povo, tornados textos sagrados, uma Boa Nova que nos é anunciada. É uma história repleta de maravilhoso onde Deus se torna presente. Na Bíblia sente-se o pulsar da vida do homem. Tem como protagonistas Deus e o Homem”. Os trabalhos terminaram com uma celebração da Palavra de Deus, presidida pelo Bispo da Guarda, D. Manuel Felício. Os sacerdotes deste arciprestado do Sabugal, “unidos em amizade e colaboração”, felicitam e agradecem “a todos os participantes, que foram sempre mais de uma centena, os sacrifícios que fizeram para poderem participar nesta Semana Bíblica”, deixando também “uma palavra de agradecimento ao frei Manuel Arantes que dirigiu os trabalhos”.“Fazemos votos de que estas sementes lançadas à terra, abençoadas pelo Espírito Santo, produzam frutos abundantes, nas nossas Comunidades”, concluiu o padre Manuel Igreja Dinis.