Jornadas do Clero juntaram 260 participantes


Pedro Vaz Patto, jurista e presidente da Comissão Nacional Justiça e Paz, com o tema ‘a paz e o diálogo entre culturas e religiões. Desafios actuais para a Europa e para Portugal’, foi o primeiro orador das jornadas de formação do clero das seis dioceses do centro de Portugal (Aveiro, Coimbra, Guarda, Leiria-Fátima, Portalegre-Castelo Branco e Viseu), que decorreram em Fátima de 30 de Janeiro a 1 de Fevereiro. A iniciativa teve como tema geral “Evangelização e comunidades”, a juntou 260 inscritos, entre bispos, padres, diáconos e seminaristas que estão em estágio nas paróquias.
“A construção da paz faz-se também através da convivência entre culturas e religiões. É algo de incontornável no mundo de hoje, no mundo globalizado, é também um desafio para a Europa: não podemos pensar numa Europa fortaleza que se fecha à convivência de pessoas vindas de outros continentes. É uma exigência até para responder ao desafio da queda da natalidade mas não só”, explicou o conferencista.
Na intervenção, Pedro Vaz Patto realçou que a convivência com povos de outras culturas e religiões, que chegam à Europa, “não deve ser vista como uma ameaça” mas como “uma oportunidade de enriquecimento”, lembrando que foi assim ao longo da História de Portugal.
“Também ganhámos com a convivência com outras culturas e penso que é dessa forma que devemos encarar este desafio”, acrescentou, nas Jornadas do Clero que juntaram 260 participantes das seis dioceses do centro de Portugal.
Pedro Vaz Patto, presidente da Comissão Nacional Justiça e Paz, explicou, no contexto dos conflitos bélicos no mundo, que se deve “pensar sempre naqueles critérios que a tradição da Igreja tem indicado em relação à legitimidade da guerra”
Na sua intervenção, “ao falar da construção da paz como desafio actual para a Europa”, o jurista não podia “deixar de recordar” a mensagem que o Papa Francisco deixou no discurso às autoridades civis, ao corpo diplomático e a representantes da sociedade civil, no Centro Cultural de Belém, no dia 2 de Agosto de 2023, no primeiro discurso em Portugal no contexto da viagem para presidir à Jornada Mundial da Juventude (JMJ) Lisboa 2023, e destacou também o documento sobre ‘A Fraternidade Humana em prol da paz mundial e da convivência comum’, assinado pelo Papa Francisco e pelo Grande Imã da Universidade Al-Azhar (Islão sunita), Ahmad Al-Tayyeb, em Abu Dhabi, a 4 de Fevereiro de 2019.