JMJ 2023


As dioceses em Portugal vão todas receber uma réplica da cruz da Jornada Mundial da Juventude, numa iniciativa do Comité Organizador local, para que “memória” e “estímulo” não se percam até agosto de 2023.
“Será uma memória futura da Jornada que vai acontecer mas também uma oportunidade para fazer com que a peregrinação dos símbolos não termine no último dia do mês de cada diocese, pelo contrário, que todos entendam que o último dia é apenas o início de uma nova etapa que nos vai levar até agosto de 2023”, explicou D. Américo Aguiar, presidente da Fundação JMJ Lisboa 2023.
Viseu foi a primeira diocese a ficar com uma réplica da Cruz mas todas as outras por onde já passaram os símbolos da Jornada Mundial da Juventude, entre as quais a da Guarda, também serão comtempladas. O padre Rafael Neves, coordenador da Pastoral Juvenil da Diocese da Guarda, disse ao Jornal A GUARDA que “ainda não sabemos quando é que vamos receber a réplica da Cruz das Jornadas Mundiais da Juventude”.
D. Américo Aguiar adiantou que “esta réplica pode ser uma presença que estimule as paroquias, vigararias, arciprestados, jovens e movimentos, a fazer uma continuação da peregrinação, já não com os símbolos originais, que agora vão para o Funchal e depois para Angra, mas a fazer com que cada um assuma a cruz da jornada em si, no que é a programação da pastoral para a JMJ, transportando a réplica da cruz”.
Esta iniciativa vem, na opinião do bispo de Viseu, dar continuidade ao trabalho desenvolvido, esperando que ajude a dinamizar a pastoral juvenil.
Para D. António Luciano está em causa a renovação da Igreja, que acontece quando “se dá lugar e espaço aos jovens”.
D. Américo Aguiar valorizou a “crescente adesão” que tem encontrado em todas as dioceses que até agora receberam a peregrinação dos símbolos da JMJ.
“Confesso a surpresa, em algumas geografias, sobre as expectativas que tinha em relação à adesão e à presença dos jovens. Confesso uma surpresa feliz na adesão do Algarve, Beja, Évora, Portalegre – Castelo Branco, da Guarda. Tem sido impressionante a adesão dos jovens e dos que não são os do costume, dentro do aquário”, reconhece.
O presidente da fundação JMJ Lisboa 2023 sublinha que o desejo de fazer chegar o convite a todos os jovens tem sido concretizado e acredita que a peregrinação dos símbolos ajuda a que nenhum jovem “no dia 7 de Agosto de 2023” lamente que o convite não lhe tenha chegado.
“Queria sublinhar e agradecer tudo o que tem sido o empenho e dedicação, dos COD das diocese onde a peregrinação já aconteceu, porque tem sido uma festa e uma prova de que os jovens estão de coração aberto, disponível e nós temos de fazer caminho para ir ao seu encontro e abandonar a ideia de que ficamos parados à espera que venham ao nosso encontro”, explicou.