Documento final diz que “o caminho sinodal deve continuar”


A Diocese da Guarda apresentou, no último domingo, 29 de Maio, a síntese local para o Sínodo dos Bispos 2021-2023, convocado pelo Papa, na qual assume que “o caminho sinodal deve continuar na Igreja em geral e na Diocese da Guarda em particular”.
“É um sentimento geral, que esta comissão também assume, o de que esta síntese da fase diocesana do Sínodo sobre a sinodalidade na Igreja não seja um ponto de chegada, mas um ponto de partida”, refere o documento apresentado a toda a Diocese e posteriormente enviado à Conferência episcopal Portuguesa.
Na apresentação dos resultados foi referido que “estamos num tempo marcado por profundas transformações sociais que têm implicações claras na religiosidade. Nesse sentido, são focadas algumas realidades socioculturais como, por exemplo, o individualismo vincado e o excessivo moralismo, em geral, mas dá-se destaque particular ao envelhecimento da população e baixa taxa de natalidade, ao contínuo envelhecimento das comunidades cristãs e do clero, ao inevitável declínio das vocações e ao crescente défice de padres com a atribuição de um número cada vez maior de paróquias”. O documento acrescenta que “um grande número de paróquias tem cada vez menos condições para desempenhar de maneira eficaz a sua missão, sobretudo pelas dimensões e prática cristã reduzidas”.
O relatório também dá conta de que a “Eucaristia dominical continua a ser o principal acontecimento de congregação das pessoas”, acrescentando que “tem vindo a diminuir o número dos fiéis que participa assiduamente na Eucaristia dominical, sendo sobretudo notória a ausência de crianças e jovens, que não entendem a linguagem celebrativa ou não lhes é dada a oportunidade para se sentirem actores da celebração”.
Entre as grandes preocupações apontadas aparece: o clericalismo, tanto dos ministros ordenados como dos leigos; as dificuldades na corresponsabilidade e fraternidade entre os sacerdotes do presbitério, onde se inclui o prelado; a falta de diálogo, cooperação e comunhão, entre as paróquias e os movimentos; a comunicação deficitária, tanto ao nível da comunicação oficial da Diocese como da comunicação noticiosa, tanto ao nível da Diocese como das paróquias e dos movimentos; a ausência de propostas formativas; a estagnação da promoção dos ministérios laicais; a barreira estrutural que impede uma maior participação das mulheres nos ministérios e na acção eclesial.
O documento dá conta de algumas proposta de mudança para a Diocese da Guarda, nomeadamente:
O documento enumera uma série de propostas de mudança, nomeadamente: Melhorar a comunicação e linguagem; Fomentar o acolhimento e o acompanhamento, onde se destaca o Ministério do Acolhimento; Dar lugar à formação do laicado; Promover a participação laical e a corresponsabilidade eclesial; Valorizar, revitalizar, criar ou implementar ministérios laicais; Valorizar os movimentos; Considerar novas realidades eclesiais, tais como o celibato opcional, a ordenação de homens casados, a ordenação de mulheres, o papel das mulheres na Igreja; Prestar maior atenção e procurar respostas dignas a novas situações: minorias e situações fraturantes, tais como as decorrentes de situações familiares menos tradicionais, orientação sexual, classes sociais ou periferias existenciais; Concretizar e implementar a desejada reorganização diocesana que já está prevista; Incentivar e incrementar a pastoral juvenil e familiar; Reforçar a abertura da Igreja a outras instâncias da sociedade: política, economia, cultura, área social, saúde, entre outras; Criar espaços de comunhão e sinodalidade.
A Comissão Sinodal da Diocese da Guarda, coordenada pelo Padre Jorge Castela, recebeu mais de mil e quinhentas respostas aos inquéritos (Geral – 978; Crianças -319; Jovens - 214) e contabilizou mais de 80 relatórios a partir dos quais elaborou este Documento Final. O processo envolveu a participação de mais de 3500 pessoas, entre grupos de diálogo, fóruns, encontros de formação e inquéritos online. O documento final pode ser consultado na integra, na página da Diocese da Guarda (www.dioce-sedaguarda.pt).