Vigília Pascal

Na homilia da Vigília Pascal, a que presidiu na Sé Catedral da Guarda, na noite de 11 de Abril, D. Manuel Felício pediu que os católicos sejam capazes de transformar o mundo, a partir da fé na ressurreição de Jesus. “O apelo, que hoje nos faz Jesus Cristo Ressuscitado, é que não desistamos de denunciar os erros da sociedade actual, entre os quais está o deus do lucro e do crescimento económico como também o poder dos mercados sem ética e com desrespeito por crescente número de pessoas, como também as agressões à natureza, de facto, criada para ser mesa posta para todos”, referiu.Lembrou que durante quarenta dias os cristãos se prepararam “para este momento da jubilosa celebração da Ressurreição de Cristo” e que durante os próximos cinquenta dias, até ao Pentecostes, “vamos deixar que a novidade de Cristo Ressuscitado e vivo no meio de nós transforme as nossas vidas, incluindo a suas relações em sociedade”. “Estes dias, de muito sofrimento e alguma angústia, à escala do mundo, por causa da pandemia, estão a demonstrar que certos hábitos, há muito tempo instalados na vida das pessoas e das sociedades e até respaldados pelas próprias leis, não só não representam essa vida em plenitude, mas claramente não estão a responder aos verdadeiros e legítimos anseios das pessoas em geral”, disse o Bispo da Guarda, Na homilia lembrou “a urgência de criar condições, também sociais, políticas e económicas para que as pessoas e as suas relações estejam sempre em primeiro lugar; relações entre nós, a começar pelas relações em família, com a natureza e com Deus”. “Que Cristo Ressuscitado e Vivo no meio de nós nos ajude a relançar o entusiasmo por lhe ajustar a nossa vida pessoal e em sociedade”, concluiu D. Manuel Felício.