Estado de emergência

”O Secretariado Geral da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) disse que a proibição circulação na via pública é “compreensível”, causa “muitas dificuldades” às actividades eclesiais e propõe que cada diocese adapte horários para “celebrações vespertinas e outras actividades”.O Conselho de Ministros Extraordinário deste sábado aprovou medidas de execução do estado de emergência, declarado pelo presidente da República na última sexta-feira com início no dia 9 de Novembro e até ao dia 23, onde se inclui a proibição de circulação em espaços e vias públicas em 121 concelhos, entre os quais Guarda, Pinhel e Trancoso, Belmonte, Covilhã e Fundão, diariamente entre as 23.00 e as 5.00 horas e ao fim de semana das entre 13.00 e as 5.00 horas, de sábado para domingo e de domingo para segunda-feira. “Esta medida, compreensível na situação de limite a que estamos já a chegar em termos do sistema de saúde, coloca muitas dificuldades às nossas actividades eclesiais, sobretudo nas tardes de sábado e domingo. Até ver se haverá margem de outras intervenções, cada Diocese verá o melhor modo de adaptar as suas celebrações vespertinas e outras actividades para outros horários”, refere o comunicado do Secretariado Geral da CEP.O Secretariado Geral da CEP lembra os “tempos conturbados” provocados pelo agravamento da pandemia Covid-19 e apela a um “suplemento de fé”.“Temos necessidade de um suplemento de fé na presença do Senhor entre nós e de uma especial solicitude para com os nossos irmãos e irmãs que estão neste barco do mundo em grande borrasca”, afirma.O Secretariado Geral da Conferência Episcopal lembra também a celebração da Missa pelas vítimas da pandemia em Portugal, marcada para as 11.00 horas do dia 14 de Novembro na Basílica da Santíssima Trindade, no Santuário de Fátima.De acordo com o boletim epidemiológico da Direcção-Geral da Saúde, desde o início da pandemia e até ao último Domingo, Portugal registou 2.896 óbitos e 179.324 casos de infecção com o novo coronavirus.