Em comunicado enviado a todos os padres e diáconos da Diocese

“Celebraremos a Eucaristia Solene da Páscoa da Ressurreição, sem procissões da Ressurreição e sem visitas pascais” anuncia o Bispo da Guarda, no comunicado enviado a todos os padres e diáconos da Diocese.D. Manuel Felício lembra a necessidade de “não descuidar as devidas cautelas, para defendermos o bem fundamental da saúde, em nós próprios e nos outros e assumindo as responsabilidades que nos cabem enquanto servidores das comunidades, na sua condução”.O documento dá ainda conta de que “não poderá haver procissões dos Passos ou outras manifestações públicas mais ou menos tradicionais ligadas à Paixão do Senhor”. Na carta enviada aos padres, D. Manuel Felício resume as normas que a Conferência Episcopal Portuguesa anunciou para Domingo de Ramos, Quinta-Feira Santa, Sexta-Feira Santa, Vigília Pascal e domingo de Páscoa. No Domingo de Ramos, a comemoração da entrada de Jesus em Jerusalém pode ser feita “utilizando a segunda forma prevista no Missal Romano, ou mesmo a terceira, ainda mais simplificada”. Este ano não haverá procissão nem distribuição dos ramos. Cada um levará consigo o seu ramo e ocupará o respetivo lugar, de acordo com as normas. Na Quinta-Feira Santa, a Missa Crismal, na Sé da Guarda, está marcada para as 10.30 horas, com renovação das promessas sacerdotais, alusão às celebrações jubilares dos sacerdotes e bênção dos Santos Óleos.A Missa vespertina, comemorativa da Última Ceia, da instituição da Eucaristia, do Sacerdócio e do Mandamento Novo, não incluirá, desta vez, a cerimónia do Lava-Pés. A Procissão do Santíssimo Sacramento, no final da Eucaristia, para o lugar da reserva eucarística até à Vigília Pascal, será simplificada, mantendo-se as pessoas nos seus lugares. Pode fazer-se a adoração, recomendável até à meia-noite, respeitando as regras previstas para este tempo de pandemia.Na Sexta-Feira Santa, a Adoração da Cruz, depois da sua apresentação, sem procissão, como prevê a primeira forma do Missal Romano, far-se-á sem o tradicional beijar da cruz, que só o Presidente pode fazer. A Vigília Pascal pode celebrar-se, com as quatro partes previstas no Missal Romano: Lucernário, Liturgia da Palavra, Liturgia Batismal com renovação das promessas do Batismo e Liturgia Eucarística.No Domingo de Páscoa os padres podem celebrar a Eucaristia Solene, sem procissões da Ressurreição e sem visitas pascais.