Em carta enviada aos padres da diocese

O regresso das celebrações do sacramento da Confirmação, em grupos mais pequenos e a catequese presencial nas comunidades são alguns dos passos que o Bispo da Guarda pretende implementar no início do novo ano pastoral. “Vamos retomar as celebrações do Sacramento da Confirmação, mas em grupos mais pequenos, que não ultrapassem os 25 candidatos”, explica D. Manuel Felício em carta enviada a todos os padres. Sobre este assunto acrescenta que as celebrações que até agora eram feitas a nível interparoquial ou mesmo arciprestal, devem passar para grupos menores, “distribuindo essas celebrações pelas diferentes Igrejas paroquiais ou outros espaços condignos, de tal maneira que, dentro das Igrejas ou mesmo fora delas, se respeitem as regras sanitárias”.Em relação à catequese presencial nas comunidades, D. Manuel Felício considera que “é outro passo importante que precisamos de dar”. Neste ponto haverá o “rigoroso cumprimentos das orientações que o Departamento da Catequese da Infância e Adolescência já enviou aos párocos para as analisarem com os respectivos catequistas”. Recorde-se que está previsto para sábado, 19 de Setembro, um encontro sobre catequese, dirigido aos párocos e catequistas, entre as 10.00 e as 12.00 horas, no Seminário da Guarda.O Bispo da Guarda dá também conta do trabalho com jovens, que está a ser dinamizado pelo Departamento Diocesano da Pastoral Juvenil e Vocacional, incluindo a Pastoral Universitária, tendo em vista a Jornada Mundial da Juventude. “A equipa alargada que se constituiu para trabalhar rumo à Jornada Mundial da Juventude não parou, mesmo durante a pandemia, mas, a partir de agora, deseja retomar iniciativas que não puderam realizar-se e propor outras novas”, explica D. Manuel Felício. E acrescenta: “A proposta de formação baseada no “Say yes” é para continuar”.O ano Pastoral, na diocese da Guarda, vai começar com o retiro anual dos sacerdotes, a realizar de 21 a 25 de Setembro, no Seminário da Guarda. Segue-se a tarefa de organizar cada um dos novos arciprestados, com a escolha do Arcipreste e do delegado ao Conselho Presbiteral e logo depois a constituição do respectivo Conselho Pastoral Arciprestal, que se há-de pronunciar sobre os conjuntos de paróquias, futuras unidades pastorais. D. Manuel Felício espera que todos estes procedimentos “estejam concluídos até à primeira quinzena de Novembro”. Simultaneamente serão devidamente constituídos os serviços diocesanos, de acordo com o decreto da respectiva reorganização.Na carta enviada aos padres, O Bispo da Guarda recorda que, ao longo dos últimos meses, houve “um conjunto de mudanças, que alteraram os nossos comportamentos habituais e estão a exigir de todos nós reflexão séria para encontrarmos novos e mais ajustados procedimentos pastorais”. E acrescenta: “O programa diocesano de pastoral, que temos pensado para três anos voltado para os jovens e para a família, vamos retomá-lo, com a recalendarização o mais ajustada possível às novas condições”.