Estimados amigos e irmãosSaudações pascais, no Senhor Ressuscitado.

Continuamos a viver tempos especiais impostos pela pandemia que nos impede de celebrar a nossa Fé, nas formas habituais, pelo menos até ao fim deste mês de Maio.Apesar de tudo, temos conhecimento de várias experiências muito positivas, em que, mesmo sem a presença física do sacerdote ou de outro ministro representante da comunidade, as famílias celebram a Fé, algumas vezes com propostas chegadas através das redes sociais, aprofundam a Palavra de Deus e fazem oração regular, cumprindo, assim, a sua condição de verdadeiras Igrejas Domésticas.Por graça de Deus, no final deste mês vamos poder retomar, embora com muitas cautelas e no estrito cumprimento de regras bastante apertadas, as nossas celebrações eucarísticas e outras. Este reinício vai exigir-nos disciplina, muita paciência e disponibilidade para aceitarmos orientações bastante exigentes.A Conferência Episcopal, Portuguesa publicou um conjunto de orientações que nós, agora também em diálogo com as autoridades locais de saúde, estamos a tentar concretizar, da melhor maneira, para começarmos a aplicar a partir de 30 deste mês.Procuremos todos estar atentos às informações que, sobretudo através dos párocos, nos vão chegando.Há regras de distanciamento e higiene muito rigorosas, como, por exemplo, a obrigatória utilização de máscaras, que vão exigir muito de nós, mas que procuraremos cumprir esmeradamente, para bem da saúde em nós próprios e nos outros.Que Maria Santíssima, neste seu mês de Maio, nos ajude a começar bem as celebrações de que já temos legítimas saudades.11.5.2020+Manuel R. Felício, Bispo da Guarda