Igreja


O novo bispo de Vila Real apresentou-se, no último Domingo, 30 de Junho, à diocese com o “coração cheio de alegria” e o “sonho” de uma Igreja acolhedora, durante uma cerimónia na Sé diocesana.
“Após uma procissão com a participação de uma centena de padres e quase duas dezenas de bispos, entre os quais o Bispo da Guarda, o responsável assinalou, na sua homilia, que os católicos da diocese são chamados a “assumir a sua missão”.
A celebração começou sob a presidência do até agora administrador apostólico, D. Amândio Tomás, que foi bispo da diocese, desde 2011, até ao último dia 11 de Maio, quando o Papa tornou pública a nomeação do seu sucessor, após ter atingido o limite de idade determinado pelo direito canónico para esta missão.
Durante a Eucaristia, foi lida a Carta Apostólica de nomeação, pelo representante diplomático do Papa em Portugal (núncio apostólico), D. Rino Passigato.
Simbolicamente, D. Amândio Tomás entregou depois o báculo – que foi do segundo bispo da diocese, D. António Valente da Fonseca (1933-1967) – a D. António Augusto Azevedo, que passou a presidir à celebração.
Natural de Avioso, no Concelho da Maia (Diocese do Porto), D. António Augusto Azevedo tem 57 anos. Foi ordenado padre a 13 de Julho de 1986 e, após o curso de Teologia, estudou Filosofia na Universidade Pontifícia Gregoriana, de Roma.
Antes de ser nomeado bispo auxiliar do Porto, no dia 9 de Janeiro de 2016, o sacerdote leccionou na Faculdade de Teologia da Universidade Católica Portuguesa (UCP), no Centro de Cultura Católica e no Curso de Pastoral do Seminário Maior, sempre no Porto, tendo colaborado ainda com a Escola de Direito e da Faculdade de Educação e Psicologia da UCP.