0. PreparaçãoProcuro um lugar adequado e uma boa posição corporal. Respiro lenta e suavemente.Silencio os pensamentos. Tomo consciência da presença de Deus, invocando o Espírito Santo.


1. LeituraLeio pausadamente o Evangelho Mt 4, 1-11.- Localizo o texto na vida de Jesus, vendo o antes e o depois. Procuro compreender os diálogos e os cenários “escolhidos”. O que significam?- Alcanço a mensagem, hoje para mim. O que me diz, o que me faz sentir?- Sublinho o importante; fixo o essencial. Esta Palavra é-me dirigida.
2. MeditaçãoAs tentações de Jesus ocorrem entre a receção do seu batismo, no rio Jordão, e o início da sua vida pública. O encontro com João Batista parecia ter “resgatado” definitivamente Jesus do anonimato. Mas eis que o Espírito O conduz ao deserto, a fim de ser tentado pelo Diabo (em grego, aquele que separa). O evangelista revela-nos que Jesus percebe, desde o princípio, a oposição que experimentará ao ser fiel até ao fim. Só é possível enfrentar e ultrapassar o mal, conduzido pelo Espírito.
3. Oração com DeusSenhor, até Tu foste tentado.Lembrar isso, faz-me sentir menos só, diante das minhas tentações. Significa que ser tentado não contradiz a fé. Apenas a põe à prova. A minha resposta é que revela a bondade ou maldade em mim.Também eu converteria pedras em pão. Clamo contra os que deveriam repartir pão para todos. Dizes-me que tenho de aprender a partilhar o meu. Mas, primeiro, tenho de perceber que a minha fome me fala de Ti. Tão depressa busco outras fontes, em vez da tua Palavra. Gostaria de provar o meu valor, diante dos outros: ser reconhecido, no meu esforço. Ou, então, que me socorresses quando necessito. Sentir-me-ia mais seguro. ConTigo, aprendo que a fé cresce ao lutar com as próprias forças. Dizes-me que a perseverança não requer milagres. E, sobretudo, queres-me livre.Gostaria, às vezes, de ter mais poder, de influenciar e decidir. Não depender de nada, de ninguém. Não me dou conta que, assim, dispenso os outros e despeço-me de Ti. E só Tu és absoluto, digno de ser adorado… amado.Senhor, não me deixes cair na tentação de escolher o mais fácil, mas de ousar crescer, conTigo.
4. ContemplaçãoNeste início de Quaresma, apresento-me e abandono-me nas tuas mãos, Senhor. Louvo e agradeço a força que me dás para vencer as minhas tentações. ConTigo, não temo. Sou fraco, mas Tu és forte em mim. Inspira-me o que esperas e mereces. Em Ti confio. Contemplo e adoro.Apoiado em Ti, ouso comprometer-me em algo oportuno e alcançável, crescendo na minha relação diária conTigo e com os outros.
Um pensamento - “Deus inventa-nos cada dia com a nossa colaboração.” (E. Mounier)
Provocações - Qual das tentações de Jesus sinto com mais intensidade?- Em que outras tentações cedo com mais frequência?- Recorro à Palavra de Deus como alimento, força e resposta?- Percebo as tentações como exercício de liberdade e crescimento?
Um propósito - Pedir ao Espírito Santo a graça de centrar a minha vida no essencial.
Uma oração poemaNo coração do meu desertoReclamam as minhas fomesTomando pedras por pães.É neste lugar de passagemQue percebo outra sede:A Tua Palavra, a jorrar vida.
No altar de todos os templosDeposito preces como atalhosEsperando iludir cada espera.Mas a fé não vive de milagresSó de perseverança e coragem,Reservando-Te espaço em mim.
No cimo de qualquer monteEspreita minha ânsia de poderIdolatrando meios como fins.Eis que, centrado no essencialDescubro-Te, oásis e sacrárioAdorado, de horizonte aberto.