Entre margens da Palavra

0. Preparo-me
Procuro um lugar adequado e uma boa posição corporal. Respiro lenta e suavemente.
Silencio os pensamentos. Tomo consciência da presença de Deus, invocando o Espírito Santo.

1. O que diz o texto
- Leio pausadamente Jo 20,1-9.
- Sublinho e anoto o mais significativo.
Na manhã de Páscoa, Maria Madalena vai ao sepulcro de Jesus, encontrando-o vazio. Alertados, Pedro e outro discípulo comprovam os indícios da Ressurreição.

2. O que me diz Deus
- Revejo-me nas personagens, nos seus gestos, atitudes e olhares. Que experimento?
Ainda não amanheceu quando o sepulcro é descoberto vazio, mas cheio de sinais. Madalena não consegue ver claramente. Seu coração está mergulhado na escuridão, pela dor da perda. Pedro e outro discípulo acorrem. Têm olhares distintos sobre o que observam. Em todos eles percebo o caminho da minha fé, tantas vezes obscurecida e inquieta. Sou chamado a passar da perplexidade à inteligência, capaz de ver por dentro do mistério. A fé e a Ressurreição de Jesus também têm de alvorecer em mim. Vejo!?

3. O que digo a Deus
- Partindo do que senti, dirijo-me a Deus, orando (de preferência com palavras minhas).
Senhor, minha fé é tão frágil que vacilo quando preciso ser firme. Duvido perante a falta de evidência. Perturbo-me nas adversidades. Como Madalena, procuro-Te às escuras, alvoraçado. Não percebo que a escuridão não é obstáculo à luz. É, antes, um apelo. A noite clama pelo dia, também dentro de mim. Afinal, a fé pode brotar do silêncio, do vazio, da ausência, se em mim semeares a sede de Ti.
Como Pedro e o outro discípulo, faz-me correr, procurar e encontrar os sinais da tua nova presença. Tão discreta quanto real, abre espaço à liberdade de Te saborear, diferente, infinitamente superior a tudo quanto meu raciocínio possa alcançar. Desperta-me o interior para que o coração perceba o que os olhos não observam. Vendo, desde dentro e por dentro, acreditarei e anteciparei a alegria da ressurreição.

4. O que a Palavra faz em mim
- Contemplo Deus, saboreando e agradecendo.
Senhor, a tua Ressurreição é fonte da minha fé, esperança e caridade. É desde ela que vivo agradecido, para Te louvar e contemplar.
Inspira-me o que esperas e mereces de mim. Apoiado em Ti, comprometo-me em algo oportuno e alcançável, crescendo na minha relação diária conTigo e com os outros.

PROVOCAÇÕES
- Que significa a Ressurreição de Jesus para mim?
- Com que olhar procuro Deus?
- Sei ler os sinais da presença de Deus ao meu redor?

UM PENSAMENTO
“Cristo vive: é Ele a nossa esperança e a mais bela juventude deste mundo!” (Papa Francisco)

UM DESAFIO
Pedir ao Espírito Santo a graça de viver como “ressuscitado”.

ARQUIVO & PODCAST
https://seminariointerdiocesanosj.pt

UMA ORAÇÃO-POEMA

De manhãzinha, ainda escuro
prossigo, de olhos abertos
mas não despertos,
tateando de perto
mágoas interiores,
catadas nos exteriores.
De manhãzinha, ainda escuro
escondo-me temeroso
das atraiçoadas feridas,
minhas, alheias, desconhecidas
ou alvoraçado por um alarido
mesmo não crendo,
ou, sem certeza, querendo.

Mas é de manhãzinha, porém
que no meu escuro alvoreces:
neste aquém Te vejo… mais além.