A missão de Cristo começa com o anúncio de uma notícia feliz: “Cumpriu-se o tempo e está próximo o Reino de Deus”.

Com Jesus, o Filho de Deus, cumpre-se o tempo e é inaugurado o Reino de Deus. Mas este tempo novo é também um momento de decisão. A mensagem de Jesus exige de nós uma resposta adequada: “Convertei-vos e acreditai no Evangelho”.
É muito significativo que a primeira coisa que Jesus faz seja anunciar, proclamar em alta voz, uma Boa Nova que nos chega da parte de Deus: “começou a proclamar o Evangelho de Deus”. Digamo-lo claramente: Jesus não começa a sua missão ensinando um conjunto de mandamentos, de obrigações ou proibições, nem ela consiste em transmitir uma teoria ou uma ideologia.
A Igreja que somos, diante do Evangelho que escutamos, tem de aprender que o anúncio precede o mandamento, o evangelho precede a moral. Jesus primeiro comunica o que Deus já fez, só depois fala daquilo que os homens devem fazer. Jesus não é um moralista, mas evangeliza.
É evidente, por outro lado, que a mensagem implica uma resposta. Para estender o seu poder transformador, o Evangelho não pode ser acolhido passivamente, mas de modo activo e comprometido. Quem anuncia o Evangelho, necessariamente tem de falar de conversão e de fé, de mudança de mentalidade e de atitudes, de modo a guiar a vida segundo Deus e para Deus.
 Jesus não diz que o Reino já está presente mas sim que está próximo. Por isso é necessário acreditar e pedir: “venha a nós o vosso Reino”. Além disso, sendo o Reino ‘de Deus’, não é um projecto humano, não depende de nenhum programa de governo nem de qualquer plano pastoral. A parte que nos compete, na construção do Reino, passa por duas acções: converter-se e ter fé com base no Evangelho.
Que o anúncio do Reino de Deus ocupe na missão de Jesus o primeiro lugar, significa que a prioridade, na sua vida, é a relação com Deus. Mas depois vem a relação com os discípulos, que O hão-de acompanhar por todo o caminho, escutando as suas palavras, assistindo àquilo que Ele realiza, fazendo a experiência da sua amizade.
Os primeiro quatro discípulos de Jesus são pescadores, dois pares de irmãos. Naquilo que Jesus lhes pede, vemos o que Ele espera dos discípulos de todos os tempos e lugares: “Vinde comigo”, segui-Me. Eis tudo o que significa ser cristão!
Os discípulos precisam apenas de seguir a Jesus. Enquanto cristãos, não seguimos um programa ou qualquer coisa de sagrado, de religioso, que tem a ver com Jesus, mas sim o próprio Jesus. “Vinde comigo” é, antes de mais, convite à amizade e à relação pessoal com Ele. Só depois vem a missão: “E farei de vós…”. Nada do que somos ou fazemos em Igreja faz sentido, sem uma vida de comunhão com Cristo.