Entre margens da Palavra
 0. Preparo-me
Procuro um lugar adequado e uma boa posição corporal. Respiro lenta e suavemente.
Silencio os pensamentos. Tomo consciência da presença de Deus, invocando o Espírito Santo.
 
1. O que diz o texto
- Leio pausadamente Jo 14,23-29.
- Sublinho e anoto o mais significativo.
No discurso de despedida (Última Ceia), Jesus promete o envio do Espírito Santo que torna presente Deus no coração do crente – fonte da verdadeira paz e autêntica fé.
 
2. O que me diz Deus
- Imagino-me entre os discípulos, escutando Jesus. Que experimento?
Tal como no domingo passado, Jesus continua a expor as suas últimas recomendações, agora acompanhadas de promessas. A Trindade fará em mim sua morada se viver o Evangelho, como expressão do meu amor. Para que tal se concretize, O Espírito Santo é-me enviado para ensinar e recordar as palavras de Jesus. O fruto dessa correspondência é a Paz de Deus, distinta do mundo. A sua Paz não exclui as adversidades da minha vida, mas confere-me a certeza de as enfrentar com Cristo.
 
3. O que digo a Deus
- Partindo do que senti, dirijo-me a Deus, orando (de preferência com palavras minhas).
Senhor, és o Misericordioso em busca de casa. Não me sinto digno, mas queres fazer de mim tua morada. Se escutar, guardar e viver a tua Palavra, tomarei consciência da tua presença nos meus dias. Vem e habita em mim!
No entanto, certos desafios e dificuldades revelam a minha insegurança. Que atitude ou decisão tomar? Qual a tua vontade em cada situação? Duvido, hesito, erro. Envia-me, pois, o teu Espírito! Será Ele a ensinar e a recordar-me o que esperas de mim.
Noutras ocasiões, o cansaço, as preocupações e adversidades confundem, inquietam, desnorteiam. Incapaz de discernir e falto de paciência, desassossego os outros à minha volta. Senhor, preciso da tua paz, aquela que me conforta interiormente, mesmo no meio da tempestade. Só assim, amparado pelo teu amor, saberei seguir em frente.
 
4. O que a Palavra faz em mim
- Contemplo Deus, saboreando e agradecendo.
Senhor, o teu amor é, no meu caminho, força luz e, sobretudo, paz. Por tudo isso, Te agradeço e louvo, contemplo e adoro.
Inspira-me o que esperas e mereces de mim. Apoiado em Ti, comprometo-me em algo oportuno e alcançável, crescendo na minha relação diária conTigo e com os outros.
 
PROVOCAÇÕES
- Que paz procuro? Onde a busco?
- Desejo a paz, mas comprometo-me com ela?
- Sou instrumento de paz nas situações e relacionamentos?
 
UM PENSAMENTO
“Para pregar a paz, primeiro tens de a ter dentro de ti.” (São Francisco de Assis)
 
UM DESAFIO
Pedir ao Espírito Santo a graça de ser instrumento de paz.
 
ARQUIVO & PODCAST
 
UMA ORAÇÃO-POEMA
 
Acima de tudo, a Paz
mas a Tua, experimentada, 
não a deste bélico mundo
negociada, rendida, ressentida.
A paz, por dentro, que entranha
não somente por fora, estranha
filha de uma qualquer trégua,
bastarda de perdão e abraço.
 
Acima de tudo, a Paz
com céu trovejado e mar agitado,
aquela que faz de mim guarida.
Vem! Habita-me, resguardado
enquanto me arrimo em Ti.
Ensina e recorda-me a semente
da Vida que restaura pais e filhos,
reerguendo mesas de fraternidade.