Editorial

Há muito que a Guarda ouve falar do Porto Seco.

A inauguração de um monumento a Francisco de Pina, padre jesuíta natural da Guarda, trouxe até à cidade mais alta um grupo de 25 vietnamitas.

No dia em que celebra 824 anos de história, a cidade da Guarda faz memória do passado e olha para o futuro com esperança.

Homenagear o ensino em geral reflecte também a homenagem pessoal e particular de todos os que mostram o caminho do conhecimento.

A vivência imediata de tudo o que é efémero e passageiro parece ter tomado conta do modo de agir das pessoas, principalmente das gerações mais novas.

É caminhando que se faz o caminho.

A Guarda tem na sua Catedral o monumento maior e mais vistoso de toda a região e dos mais belos e grandiosos em todo País.

Ouvimos dizer, muitas vezes, que a Guarda tem tudo para se afirmar não só no panorama regional mas também nacional e internacional.

“O Colégio Cardinalício é chamado a assemelhar-se a uma orquestra sinfónica, que representa a dimensão sinfónica e a sinodalidade da Igreja.