Editorial

Várias vezes, logo depois da sua eleição para Bispo de Roma, Jorge Bergoglio se vem debruçando sobre o Colégio cardinalício e o seu lugar na Igreja.

Desde os primeiros séculos do cristianismo, a Igreja reconhece que o principal mistério nascido da vinda de Jesus à terra, marcando a sua finalidade, foi a redenção do género humano através da morte salvífica do Senhor, atestada pela sua gloriosa ressurreição.

Em várias dioceses do nosso país e do mundo além, a Festa da Apresentação do Senhor tem sido, alguns anos já, acrescida, com o esteio de na própria liturgia, com a menção das pessoas consagradas a Deus,

Apoiado no exemplo do Pe José Vaz, vindo da Índia para anunciar o Evangelho do Reino de Cristo,

O mundo anseia  por concórdia e harmonia, nestes tempos em que as armas se apontam como se fossem instrumentos de convivência pacífica e de harmonia procurada. Também na convivência religiosa se pretende um bom entendimento envolvido em mútua compreensão e perfeita estabilidade.

Promover a restauração da unidade entre todos os cristãos é um dos principais objectivos do Sagrado Concílio Vaticano II, pois Cristo Senhor fundou uma só Igreja

Foi a 8 de Dezembro de 1967 que o beato Paulo VI, angustiado com o ambiente turbulento do mundo, onde faltava a compreensão entre os povos, cresciam as controvérsias e contendas, desde o pós-guerra até ao Concílio lançou a ideia de celebrar a 1 de Janeiro a Jornada Mundial da Paz.

Não basta, para compreendermos o mistério da incarnação, olhar o presépio e deleitarmo-nos perante o encanto promissor de uma criança.