Uma prenda a caminho do Natal

Na comemoração aos 150 anos da proclamação de São José como guardião universal da Igreja, pelo Papa Pio IX, o Papa Francisco deu um grande presente à Igreja, ao proclamar “Ano de São José” através da Carta Apostólica Patris Corde “Coração de Pai”. Esta Carta, que já está disponível em todas as livrarias, como o próprio título sugere, é cheia de afecto. Nasce do coração paternal do Papa Francisco, também ele grande devoto de São José, que deseja, através dela, chegar ao coração de todos os católicos, convidando cada um a conhecer melhor o pai adoptivo do Senhor e a sua importância no plano salvífico de Deus.O Papa Francisco fala de São José como pai amado, pai na ternura, na obediência e no acolhimento; pai com coragem criativa, trabalhador, sempre na sombra. Venerado e amado ao longo dos séculos, São José tem servido de referência para todos os trabalhadores. A Carta apostólica com data de 8 de Dezembro, tem em conta o momento que vivemos actualmente e fala da pandemia da Covid-19, que “nos fez compreender a importância das pessoas comuns, aquelas que, distantes dos holofotes, exercitam todos os dias paciência e infundem esperança, semeando co-responsabilidade”. Justamente como São José, “o homem que passa desapercebido, o homem da presença cotidiana discreta e escondida”.O amor a São José está bem enraizado na devoção e na tradição popular, sendo rara a Igreja que não ostenta a sua imagem. Acredito que esta grande prenda que o Papa quis apresentar em vésperas de Natal, nestes tempos tão conturbados, está a ser bem recebida e vai merecer manifestações de afecto, dedicação e alegria de todos os cristãos.