A vacinação em massa da população portuguesa está a permitir o regresso à normalidade possível,

depois de quase dois anos de pandemia, provocada pela covid19. Apesar da manutenção de algumas restrições há sinais de esperança um pouco por todo o lado. Os números divulgados pela Direcção Geral de Saúde são bastante animadores. Mas, como cautelas e caldos de galinha nunca fizeram mal a ninguém, ainda é preciso acatar algumas normas consideradas importantes e que não podem ser descuidadas. A higienização das mãos, o uso da máscara em sítios mais fechados ou com muita gente são gestos que não podem ser esquecidos. Desde o início desta semana que o uso de máscara no exterior deixou de ser obrigatório, passando a ser facultativo e recomendado em algumas situações, como os aglomerados de pessoas. Esta obrigação durou no total 318 dias, desde a aprovação da lei, a 28 de Outubro de 2020, em plena pandemia de covid-19. O levantamento gradual das restrições deu bons indicadores, permitindo o retomar de todas as actividades.  Esta semana, a Conferência Episcopal Portuguesa anunciou que mantém as normas de prevenção e combate à pandemia de Covid-19, nas celebrações católicas, mas dá luz verde ao regresso das procissões.Tendo em conta a situação actual da evolução da pandemia, as celebrações e actividades pastorais continuam a ser realizadas com os devidos cuidados sanitários e de segurança, quanto à higienização, uso de máscaras e razoável distanciamento. “Recomendamos que, com os devidos cuidados e observância das normas, sejam dignificadas as exéquias cristãs e se realizem as procissões e outras actividades pastorais, como a catequese e outros encontros”. Em Outubro e Novembro serão apresentadas novas indicações sobre celebrações e actividades pastorais, “de acordo com o evoluir da situação e as orientações das autoridades de saúde.