A solenidade da Imaculada Conceição, que a Igreja Católica assinala todos os anos no dia 8 de Dezembro, é feriado nacional em Portugal.

A data é vivida e celebrada com devoção em muitos lugares, assumindo especial destaque na igreja de Nossa Senhora do Castelo, em Vila Viçosa. Também na Diocese da Guarda há muitas paróquias que têm como padroeira a Imaculada Conceição, magnificamente representada em imagens de beleza invulgar.
O dogma da Imaculada Conceição foi proclamado a 8 de Dezembro de 1854, através da bula ‘Ineffabilis Deus’, a qual declara a santidade da Virgem Santa Maria desde o primeiro momento da sua existência, sendo preservada do pecado original.
Mas em Portugal, a ligação à Imaculada Conceição ganhou destaque em 1385, quando as tropas comandadas por D. Nuno Álvares Pereira derrotaram o exército castelhano e os seus aliados, na batalha de Aljubarrota.
Em honra a esta vitória, o Santo Condestável fundou a igreja de Nossa Senhora do Castelo, em Vila Viçosa, e fez consagrar aquele templo a Nossa Senhora da Conceição.
Mais tarde, durante o movimento de restauração da independência que acabou com o domínio castelhano em Portugal e que culminou com a aclamação de D. João IV como rei de Portugal, que coroou a Imagem de Nossa Senhora da Conceição de Vila Viçosa como Rainha e Padroeira de Portugal, durante as cortes de 1646.
Saber preservar este legado histórico é cada vez mais um desafio para as gerações mais novas.
O Secretariado Nacional de Liturgia explica que “a Virgem Maria foi preservada de toda a culpa original, por singular privilégio de Deus, como foi definido solenemente pelo papa Pio IX, no dia 8 de Dezembro de 1854, como verdade dogmática recebida por antiga tradição, atestada liturgicamente desde o século XI”.