O Dia Mundial dos Pobres, instituído pelo Papa Francisco, em 2017

, celebra-se anualmente no penúltimo domingo do ano litúrgico, antes da solenidade de Cristo-Rei.Em 2021, a celebração será no dia 14 de Novembro e tem como tema ‘Sempre tereis pobres entre vós’, inspirado numa passagem do Evangelho segundo São Marcos.Na mensagem para este ano, o Papa aborda a multiplicação de novas formas de pobreza, questionando discursos políticos que fazem dos pobres “responsáveis pela sua condição” e mesmo um “peso intolerável” para o sistema económico.O Dia Mundial dos Pobres tem como objectivo “sensibilizar para a escuta do grito dos pobres e sofredores” e diz respeito a “toda a Igreja”, sublinha o Conselho Pontifício para a Promoção da Nova Evangelização.O Papa alerta para as consequências sociais e económicas da pandemia, pedindo uma nova abordagem na luta contra a pobreza. Na mensagem refere que a pandemia continua a bater à porta de milhões de pessoas e, mesmo quando não traz consigo o sofrimento e a morte, é portadora de pobreza. “Os pobres têm aumentado desmesuradamente e o mesmo, infelizmente, continuará a verificar-se ainda nos próximos meses”.A mensagem questiona o tipo de resposta que tem sido dada a milhões de pobres, muitas vezes deixados na “indiferença, quando não a aversão”, defendendo um maior protagonismo dos que são desfavorecidos na criação de novas políticas de solidariedade e a partilha.Este ano, o Dia mundial dos Pobres acontece numa altura em que, um pouco por todo o lado, paira a ameaça da subida do preço de bens essenciais e se assiste a novas vagas de migração. Adivinham-se tempos difíceis em que aos dramas humanos se juntam os dramas ambientais, em que se acentuam cada vez mais as desigualdades entre ricos e pobres. A profecia continua nos nossos dias com os pobres cada vez mais presentes nesta sociedade tão madrasta e desigual.