Hoje, dia 9 de Maio, celebra-se o Dia da Europa. Este dia assinala a Declaração Schuman, a declaração que deu origem à União Europeia.

Esta declaração foi uma proposta da criação de uma entidade europeia supranacional avançada a 9 de Maio de 1950.

A Declaração Schuman foi proferida pelo ministro francês dos Negócios Estrangeiros, Robert Schuman, a 9 de Maio de 1950, propondo a criação da Comunidade Europeia do Carvão e do Aço, com o objectivo de instituir um mercado comum do carvão e do aço entre a França, República Federal da Alemanha, Itália, Países Baixos, Bélgica e Luxemburgo, os países fundadores.

Olhando para o contexto histórico, no ano de 1950, ou seja, cinco anos depois do fim da Segunda Guerra Mundial, a Europa continuava com sérias dificuldades para se levantar da devastação provocada pelo conflito. Era preciso salvaguarda futuros confrontos, principalmente entre a França e Alemanha.

“A paz mundial não poderá ser salvaguardada sem esforços criadores à medida dos perigos que a ameaçam”, referia o texto da Declaração. Acrescenta que “a contribuição que uma Europa organizada e viva pode dar à civilização é indispensável para a manutenção de relações pacíficas”.

Depois do primeiro passo dado com a criação da Comunidade Europeia do Carvão e do Aço tendo em vista a integração económica e também a prevenção de uma III Guerra Mundial, segue-se o Tratado de Roma, a 25 Março de 1957, envolvendo a França, a Itália, a Alemanha, a Bélgica, o Luxemburgo e a Holanda e que cria a Comunidade Económica Europeia.

A partir dessa altura outros países se quiseram juntar e o número foi aumentando alterando também a nomenclatura. Com o Tratado de Maastricht a designação passa para Comunidade Europeia e com o Tratado de Lisboa, em 2007 nasce a União Europeia.

A Croácia foi a última nação a entrar nesta grande família que congrega pessoas, culturas, património e tradições de 28 países que actualmente compõem a União Europeia.
A poucos dias das eleições para o Parlamento Europeu torna-se imprescindível um olhar atento a uma Europa que, com o emergir de tantos extremismos, parece esquecida da história de um passado recente.