Compromisso com o ambiente

Em 2015, as questões ambientais serviram de referência à Carta Encíclica ‘Laudato si’, do Papa Francisco, sobre o cuidado da casa comum, que “clama contra o mal que lhe provocamos por causa do uso irresponsável e do abuso dos bens que Deus nela colocou”. Sem rodeios o documento aponta as atrocidades cometidas pelo homem e refere que “crescemos a pensar que éramos seus proprietários e dominadores, autorizados a saqueá-la.
O texto recorda que “o urgente desafio de proteger a nossa casa comum inclui a preocupação de unir toda a família humana na busca de um desenvolvimento sustentável e integral, pois sabemos que as coisas podem mudar”. Acrescenta que “a humanidade possui ainda a capacidade de colaborar na construção da nossa casa comum”.
Olho para este documento tão cheio de ensinamentos e sabedoria na véspera de mais um Dia Mundial do Meio Ambiente, a 5 de Junho. Dedicado à ‘Restauração de Ecossistemas’, tem como anfitrião global o Paquistão. Nesta data será também lançada pela ONU a ‘Década para a Restauração dos Ecossistemas, 2021 – 2030’.
A restauração do ecossistema depende de todos e de cada um e pode passar pela plantação de árvores, criação de cidades verdes, restauração de jardins, limpeza de rios e costas, mudança na alimentação…
Em ano de eleições autárquicas, a consciência ambiental para a restauração de ecossistemas deveria fazer parte do compromisso e programa eleitoral de todos os candidatos. A aproximação do ser humano ao meio ambiente torna-se cada vez mais importante e urgente e, nesta matéria, não há tempo a perder. E quem manda deve dar o exemplo.