Amanhã, 19 de Março, dia de São José, tem início o “ano especial” dedicado à família, assinalando o 5.º aniversário da exortação ‘Amoris Laetitia’,

do Papa Francisco, resultado de duas assembleias do Sínodo dos Bispos.O ano especial foi convocado a 27 de Dezembro de 2020, primeiro domingo depois do Natal, dia em que a Igreja Católica celebrou a festa litúrgica da Sagrada Família.A iniciativa decorre até à celebração do X Encontro Mundial das Famílias, que terá lugar em Roma, a 26 de Junho de 2022.Numa altura em que esta instituição tem conhecido tantos contratempos e ataques, um pouco por todo o Mundo, há o convite do Papa Francisco a um impulso pastoral renovado e criativo para colocar a família no centro das atenções da Igreja e da sociedade.O grande objectivo passa por fazer deste acontecimento um “ano especial para crescer no amor familiar”, de maneira a “sentir, na própria casa, a presença viva da Sagrada Família de Nazaré, que enche as nossas pequenas comunidades domésticas de amor sincero e generoso, fonte de alegria, mesmo nas provações e dificuldades”.O início deste ano especial dedicado à Família acontece quando já decorre o “Ano de São José”, que o Papa quis assinalar com a Carta apostólica “Patris corde – Com coração de Pai”, lembrando os 150 anos da declaração do Esposo de Maria como Padroeiro da Igreja Católica.  São José é apresentado como “pai no acolhimento”, porque “acolhe Maria sem colocar condições prévias”, um gesto importante ainda hoje, “neste mundo onde é patente a violência psicológica, verbal e física contra a mulher”. Nestes tempos tão conturbados, com tantas movimentações de pessoas entre continentes, países e regiões, o acolhimento praticado pelo pai de Jesus “convida-nos a receber os outros, sem exclusões, tal como são”, com “uma predilecção especial pelos mais frágeis”. Honesto carpinteiro, São José lembra, a cada homem e mulher de hoje, “o valor, a dignidade e a alegria” de “comer o pão fruto do próprio trabalho”.