“Com três letrinhas apenas / Se escreve a palavra mãe. / Que é das palavras pequenas, / A maior que o mundo tem”.

Esta quadra resume, de forma muito expressiva, o significado do Dia da Mãe que se celebra, habitualmente, no primeiro domingo de Maio, este ano no dia 6.
Em Portugal, o Dia da Mãe chegou a ser celebrado a 8 de Dezembro, solenidade da Imaculada Conceição, mas depois passou a ser celebrado no primeiro domingo de Maio, no mês dedicado, de forma especial, a Nossa Senhora.
Este ano, a mensagem da Comissão Episcopal do Laicado e Família, da Igreja Católica em Portugal, para o Dia da Mãe destaca a importância de “apoiar e proteger o dom da maternidade”.
O tema é ainda mais pertinente quando os estudos nos dizem que “na União Europeia do futuro, Portugal é o segundo país mais envelhecido”. De acordo com um estudo demográfico acerca da Europa publicado em Agosto de 2017 pelo Instituto de Berlim para a População e o Desenvolvimento “todos os países europeus estão a envelhecer, mas nem todos estão a encolher.” O estudo acrescenta que “os países que sofrem de emigração e onde poucos filhos nascem, vão encolher de forma radical”. Este é o caso da Europa do Leste e do Sul. E, concretamente, o caso de Portugal. A previsão aponta para que “até ao final do século, Portugal seja o Estado da União Europeia (UE) com mais pessoas acima dos 65 anos em relação à população em idade activa, exceptuando a Grécia”.
A falta de natalidade tem vindo a afectar todo o território nacional e, por consequência, o despovoamento de todo o interior.
Quando estão em causa desafios como a baixa natalidade e o envelhecimento populacional, a Comissão responsável pelas questões pastorais ligadas à Família considera que é urgente “apoiar” todas as mulheres que hoje escolhem como caminho “colocar no mundo um filho” e “dar a vida” pela família.
O desafio é dirigido aos “decisores políticos e económicos”, aos “agentes culturais e da comunicação social” e àqueles que, dentro da própria Igreja trabalham junto das famílias e dos casais.
“Que todos nos empenhemos a apoiar e a proteger o dom da maternidade que começa na fecundação e nunca deixa de se manifestar” aponta a Mensagem da Comissão Episcopal do Laicado e Família para o Dia da Mãe.
A mensagem lembra também o papel das mães na transmissão do “sentido mais profundo da vivência religiosa” dos seus filhos, acompanhando-os e ajudando-os a perceber “o valor da fé”.
Acredito que “é bom, belo e justo celebrar o Dia da Mãe”, para todos os filhos. Estamos a “agradecer a todas as mães que dia e noite, todos os dias e todos anos, ao longo da sua vida, se dedicam ao acolhimento amoroso, à educação e ao crescimento integral dos filhos”. Feliz dia da Mãe!