Todos sabemos da importância da água. Se nos lembrarmos que cerca de dois terços da superfície da Terra são cobertos pela água,

em estado líquido (oceanos mares, lagos, rios e água subterrâneas) ou em estado sólido (geleiras e neve), rapidamente compreenderemos que é preciso cuidar deste bem tão preciosos e cada vez mais escasso. Sabemos que a maior parte da água no planeta é salgada. Há apenas 2,7% de água doce e, desse percentual, apenas 0,1% corresponde à água doce disponível para utilização.
Sabemos da importância da água uma vez que é um elemento essencial para a sobrevivência de animais e vegetais na Terra, além de ser imprescindível para inúmeras actividades dos seres humanos.
Queiramos ou não, a falta de água torna-se uma ameaça, uma vez que é fonte de vida. Como estamos habituados a ver correr a água nas torneiras, muitas vezes nem damos conta da importância deste bem tão precioso e necessário.
Num ano marcado pela seca já soaram os primeiros alarmes e, por isso, estamos todos convocados para uma campanha de sensibilização tendo em vista o uso eficiente da água.
A Câmara da Guarda apresentou esta semana as “Medidas de Contenção Fundamentais para a Moderação dos Consumos de Água no Concelho da Guarda”. Os munícipes vão ser confrontados com algumas situações quase impensáveis há alguns anos atrás mas que, neste momento, até já podem pecar por tardias.
O povo até vai dizendo com muita razão que “só nos lembramos de Santa Bárbara quando troveja” e “depois de casa roubada, trancas na porta”.
Estes dois ditados populares encaixam e de que maneira nesta questão da poupança da água. Há vários meses que a chuva deixou de cair com tanta frequência e nem por isso foram alterados os hábitos regulares de consumo. Foi necessário os rios deixarem de correr e as barragens ficarem a níveis nunca vistos para soarem os alarmes. Mas, como mais vale tarde do que nunca, temos de acreditar que ainda vamos a tempo de minimizar os efeitos nefastos da falta de água. Para isso é preciso começar, já hoje, a mudar hábitos e atitudes para que a água continue a ser fonte de vida.