Quinta do Noéme - Guarda


O médico-veterinário Joaquim Canotilho, natural e residente na Guarda, possui uma exploração de bovinos na Quinta do Noéme, localizada nas proximidades de Alfarazes, junto da cidade. O projecto foi iniciado em 2014 e surgiu porque na família “há uma componente de paixão pelos animais, porque praticamente nascemos e crescemos no meio das vacas”, justificou. Assim, Joaquim Canotilho esclarece que instalou o projecto de jovem agricultor para dar continuidade à exploração familiar de bovinos. Neste momento a exploração possui 45 vacas (de cruzamento de Raça Alentejana com Limousine) e um boi de raça pura Limousine importado de França, mas o objectivo “é passar a ter Limousine puro”. A aposta na exploração de bovinos permitiu que o veterinário pudesse identificar muitos problemas existentes na exploração e proceder à sua correcção, lembrando que a quinta da família “era um péssimo exemplo em termos de eficiência”.
“Eu e o meu irmão e o meu pai entusiasmámo-nos e começámos a pôr em prática aquilo que, como consultor, dizemos aos nossos clientes. Conseguimos aumentar o taxa de partos para cerca de 95%, conseguimos conciliar o maneio nutricional com o maneio reprodutivo, fizemos emparelhamento e selecção genética através de inseminação artificial de forma a melhorar muito a recria (as futuras mães da exploração) e fomos buscar uma novilha dadora de embriões a França, de forma a utilizar as nossas antigas vacas como «barrigas de aluguer», para conseguirmos, a curto prazo, termos uma vacada pura de alto rendimento”, especificou. A agricultura “é sempre um negócio de risco”, mas o jovem casal Joaquim e Carolina Canotilho estão esperançados no futuro e no sucesso da exploração de bovinos. “O objectivo não é apostar na quantidade, mas sim na qualidade, de forma a vender animais com mais qualidade e, eventualmente, vender reprodutores”, explicaram. O casal também acredita “que o Interior ainda tem algum potencial de desenvolvimento”, por isso não se arrepende de ter apostado na Guarda para viver e trabalhar. “A Guarda tem a vantagem de ter mais qualidade de vida do que os grandes centros. Apenas lamentamos que seja caro sair daqui, por causa das portagens nas auto-estradas, e que haja poucos incentivos, incluindo à natalidade, às pessoas que se vêm estabelecer no Interior do país, pois a Guarda precisa urgentemente de gente”, disseram Joaquim e Carolina Canotilho.