Nos candeeiros dos cemitérios


As lamparinas alimentadas a pilhas estão a substituir as tradicionais velas que por ocasião do Dia de Finados são colocadas nas campas dos cemitérios. Na Casa Veritas, na Guarda, as velas têm nesta quadra uma grande procura, mas a responsável da loja, Guida Martins, disse ao Jornal A Guarda que as pessoas estão a optar por comprar lamparinas a pilhas em vez das tradicionais velas de cera. “As pessoas estão a aderir muito às lamparinas, uma vez que são mais práticas, seguras e duradouras e só têm que mudar as pilhas quando esgotarem. Os candeeiros tradicionais, que levam velas de cera, são mais bonitos e têm uma melhor decoração e aparência, só que há a desvantagem de serem recarregados, de caírem ou de se apagarem com o vento”, disse. E acrescentou: “Por isso, noto que as pessoas estão a utilizar muito essas lamparinas de pilhas que substituem as velas nos candeeiros de vidro que estão nas campas. Contam que retiram a vela tradicional de cera e substituem-na pela de pilhas. Podem desligá-la, porque tem um interruptor, ou podem levá-la para casa e voltar a colocá-la no ano seguinte”. A Casa Veritas vende lamparinas a pilhas a 4 euros a unidade, com as pilhas já incluídas, candeeiros de vidro para campas a partir de 1,5 euros e diversas recargas de cera para os respectivos candeeiros, a partir de 0,80 cêntimos.
Guida Martins referiu que as velas continuam a ter grande procura na quadra de Finados e que as novas gerações mantêm a tradição dos seus antepassados. “A tradição até se podia perder, mas nota-se que nesta altura as gerações mais novas vêm buscar algo que simboliza o sentimento que têm pelos seus entes queridos”, referiu. De acordo com a responsável, “apesar da crise, as pessoas ainda continuam a querer manifestar este sentimento de homenagem pelos falecidos e compram as tradicionais velas que colocam sobre as campas, nos cemitérios”. “Temos uma grande variedade de artigos e muitos preços, que se adaptam às várias bolsas”, concluiu.